© 2017 Coluna Blues Rock

Brasil

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Henrique Bonna e a viola caipira

27.12.2017

   "Sertanejo? To fora, não sou caipira!". Além de alguns preconceitos (que não serão abordados), essa reação expõe o senso comum musical da maioria dos brasileiros.  E o músico Henrique Bonna ajudará a desconstruir alguns equívocos e revelar a rica tradição da viola caipira e a moda de viola. "Este gênero propagado pela grande mídia nada tem a ver com a música que se faz com a viola caipira", enfatiza Henrique.

   O músico, que passou por bandas de rock, blues, clássico e até reggae, também faz um resgaste histórico e conta as origens de um instrumento que contém o legítimo DNA brasileiro. "A viola caipira é o primeiro instrumento de harmonia que entra no Brasil, trazido pelos portugueses, e foi usada para catequizar os índios no período da Colonização. Os índios foram aprendendo a tocar viola e adaptando seus ritmos para este instrumento, surgindo assim o cateretê, o cururu, entre outros que usamos até hoje na viola".

   Uma conversa agradabilíssima com um músico que mantém viva a tradição da viola caipira. O Coluna Blues Rock abre as portas para o professor Henrique Bonna!!

 

Ugo Medeiros - Te conheci através do Kleber Dias, grande músico de blues e folk. Você poderia se apresentar para os nossos leitores? Como começou a sua trajetória na música? 

 

Henrique Bonna - Primeiro quero agradecer a oportunidade de falar do meu trabalho com a viola caipira no Coluna Blues Rock! Bem, sou Henrique Bonna, professor de viola caipira no Rio de Janeiro, e construí minha história musical atuando em diferentes gêneros como violinista e guitarrista. No rock tive bandas como os Quatro Caras e o Tributo a Santana, já no blues toquei com o Experimental Blues (inclusive, em parceria com o Kleber Dias). Toquei música clássica com a camerata de cordas da ELAM e até passei pelo reggae na banda Vell Rangel, porém o amor pela viola e a música caipira me foi apresentado, ainda na infância, através do meu pai, Olívio Bonna, meu primeiro professor. "Tenho a sensação de que rodei, rodei e voltei ao começo, ao início", hoje me dedico apenas à viola caipira. Com a viola gravei trilhas sonoras para novelas, minisséries e três CDs com a Família Bonna, grupo formado por mim, meu pai (Olívio Bonna) e minha mãe, Josefa Bonna. Como professor de viola, um dos únicos no Rio de Janeiro, e com a finalidade da prática em conjunto, em 2010 formei o grupo Caipirando. Começou com quatro alunos amantes da viola e hoje tem a participação de aproximadamente trinta músicos. É por meio de shows, palestras, Folias de Reis e moda de violas que tenho feito a divulgação deste instrumento aqui no Rio de Janeiro.

 

UM - Você é um grande pesquisador da música de raiz sertaneja, sobretudo a moda de viola. Poderia falar um pouco sobre este estilo?

 

HB - A música caipira brasileira vem sendo rotulada de várias formas: sertanejo de raiz, música regional, música caipira e tantas outras. Há um tempo chamava-se apenas de sertanejo, mas devido ao grande sucesso do estilo intitulado de sertanejo universitário, precisamos especificar bem o que fazemos. Este gênero propagado pela grande mídia nada tem a ver com a música que se faz com a viola caipira. Como diz a canção Navegantes das Gerais, da dupla Zé Mulato e Cassiano, "Se me chamam de Caipira fico até agradecido, pois falando Sertanejo posso ser confundido".  A viola caipira é o primeiro instrumento de harmonia que entra no Brasil, trazido pelos portugueses, e foi usado para catequizar os índios no período da Colonização. Os índios foram aprendendo a tocar viola e adaptando seus ritmos para este instrumento, surgindo assim o cateretê, o cururu, entre outros que usamos até hoje na viola. Muito ligado aos jesuítas e muito usado nas manifestações religiosas (Folias de Reis e a Dança de São Gonçalo), se tornou bem popular no Brasil nesse período. Com o passar do tempo, a música caipira foi se transformando por influência de diversas culturas, como a africana e a dos imigrantes europeus. Seu apogeu foi no período das duplas sertanejas, sendo a viola a grande estrela acompanhada pelo violão. Esse gênero dominou todo o Brasil, tocava em todas as rádios e vendia muito disco. Esse movimento mistura todas as culturas brasileiras. Para se ter uma ideia, uma dupla caipira da época como Tonico & Tinoco gravou 84 (oitenta e quatro!) discos em 60 anos de carreira, executou 32 ritmos diferentes como cururus, cateretê, guarania, toada, moda de viola, polcas, valsas, pagodes de viola, sambinhas caipira, coco, etc. Já uma banda de rock executa no máximo três ritmos diferentes. A última grande experiência que se teve nesse gênero com projeção nacional foi com o violeiro Almir Sater, que através das novelas alcançou o grande público. Essa cultura resiste até os dias de hoje por todo o Brasil. Temos jovens tocando viola e formando um circuito alternativo, mantendo a viola mais viva do que nunca! 

 

UM - O tipo de vocal da música caipira tem origem na forma de entoar cânticos jesuítas que colonizaram as regiões Centro-Oeste e Sudeste, correto?

 

HB - Sim! Os índios assistiam aos corais jesuítas e tentavam, assim, repeti-los com no mínimo duas vozes para dar o sentido de um pequeno coral. Daí surgem as duplas caipiras. Cantando sempre em terças (distâncias entre as notas) acompanhados pela viola, misturando a sua cultura e dando forma à moda de viola, considerada o primeiro estilo da música brasileira, contando histórias fantásticas do cotidiano, aventuras, caçadas e acidentes. Servia como um noticiário dos Sertões. 

 

UM - Você poderia explicar a diferença (afinação, tipo de som, tipo de música, estrutura) entre o violão tradicional, a viola de 12 e a viola caipira, que tem 10 cordas?

 

HB - A viola caipira tem 10 cordas, organizadas em cinco ordens, sendo o primeiro e o segundo par na mesma altura e o terceiro, quarto e quinto pares em oitavas diferentes. A nossa viola brasileira é a cópia da viola de Braga. De Portugal vieram algumas afinações, porém no Brasil foram desenvolvidos vários tipos de afinações, sendo as mais conhecidas Cebolão em Ré e Cebolão em Mi. Essas afinações levam esse nome por sua bela entonação que costuma emocionar e levar o ouvinte às lágrimas, assim como quando se descasca uma cebola. Outra afinação muito conhecida é a Rio Abaixo, usada pelo cramunhão. Também temos as afinações Rio Acima, Paraguaçu, Boiadeira e outras. Algumas dessas afinações são usadas no blues, inclusive muitas das lendas que povoam o universo da viola também são encontradas no universo do blues, como o pacto com o diabo para ser um bom tocador. Acredito que essa ligação vem pela ruralidade em que esses gêneros foram criados. A viola é menor que um violão, com um som mais médio agudo e com uma técnica própria de se tocar, desenvolvida por nós brasileiros. Chamamos de Ponteio ou Moedão, que consiste em usar os dedos polegar e indicador. Quando um violeiro utiliza esta técnica temos a sensação de ouvir dois instrumentos tocando ao mesmo tempo, causando grande espanto ao ouvinte.

 

UM - Você poderia indicar alguns nomes e canções básicas para um leigo, como eu!, em moda de viola e na música caipira?

 

HB - É difícil indicar ou classificar alguns exemplos, dentro de um universo tão vasto das músicas feitas com viola aqui no Brasil. Tentarei aqui uns pontos que acho importante para vocês ouvirem e pesquisarem. Começo pela dupla Tonico & Tinoco cantando Tristeza do jeca, música considerada a primeira nesse gênero das duplas caipiras. A segunda sugestão é o maior violeiro de todos, aquele que é para a viola o que Jimi Hendrix é para a guitarra, Tião Carreiro interpretando Pagode em Brasília ao lado do seu parceiro Pardinho. Outro momento muito importante é Pena Branca & Xavantinho cantando Cio da Terra com Milton Nascimento. Para terminar, Almir Sater tocando Luzeiro, de sua autoria, música que já leva a viola para outro universo, meio progressivo.

 

UM - Você citou em uma resposta acima, mas poderia falar especificamente sobre o grupo Caipirando?

 

HB - Quando surgiu, no ano de 2010, o grupo carioca de viola Caipirando, tinha como objetivo apenas o aprendizado e conhecimento da viola caipira. Atualmente, com cerca de trinta músicos, transformou-se em um grande projeto de celebração e divulgação da cultura caipira, claro, através da música. Com um repertório repleto de clássicos do cancioneiro nacional e composições autorais, o Caipirando encanta e emociona o público com seus variados ritmos, toques e ponteios, em arranjos criados pelo grupo. Em sua trajetória, o Caipirando vem se apresentando em diversas cidades no Estado do Rio de Janeiro, como Mendes, Vassouras, Três Rios, Tanguá e Bom Jardim, além de locais renomados, como o Centro de Referência da Música Carioca Arthur da Távola, Lona Cultural Jacob do Bandolim, Teatro Armando Gonzaga, Espaço Néctar e no Teatro Escola SESC. Além de realizar espetáculos, o Caipirando também tem o seu próprio programa de rádio, Caipirando, Alma Carioca de Viola, transmitido pelas Rádio Jornal de Rio Bonito, Estância de Bananal (interior de São Paulo) e Popular (Zona Oeste do Rio de Janeiro).

 

 

 

Para aulas de viola caipira com Henrique Bonna:

Facebook

Telefone: (21) 974205115

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

anuncie aqui

Destaques:
Please reload

 procurar por TAGS: 
66185439_3317518094955530_69382078520623