© 2017 Coluna Blues Rock

Brasil

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Entrevista Vítor Bacalhau

21.02.2018

   O brasileiro adora acusar os outros de preconceituoso, mas o que vemos por aqui é um ataque generalizado e esquizofrênico. Branco falando mal de negro, negro mal dizendo nordestino, nordestino atacando homossexuais, indígenas agredindo estrangeiros, marombeiros humilhando gordos, homossexuais difamando coxinhas. Entretanto, há um tema que os unem em piadas de mau gosto e risadas que mais lembram um porco com tuberculose: portugueses. Até pouco tempo nossos velhos colonizadores eram os principais alvos de brincadeiras sem fundamentos, sempre os taxando como intelectualmente inferiores, situação esta que só mudou quando o Brasil derreteu em crises morais e econômicas e Portugal tornou-se o destino de hordas de brasileiros em busca de uma terra acolhedora. O texto não é um editorial sobre a falência educacional do nosso país ou uma indignada carta contra pseudo-humoristas, longe de mim travestir este site em defensor do politicamente conveniente, cada um é responsável pelo que fala  e pensa. 

   Toda essa prévia fez-se necessária para apresentar uma das maiores revelações do blues-rock nos últimos tempos, Vítor Bacalhau. Não, ele não dança o vira-vira, tampouco canta o fado. Dono de uma pegada pesada e com bastante técnica, Vítor falou sobre as suas influências, a cena blues-rock em Portugal e o amor pela Telecaster. "A minha Telecaster é uma guitarra muito especial para mim. Foi escolhida a dedo no meio de uma mão cheia Telecaster Custom Shop, e por algum motivo inspira-me a tocar de uma determinada maneira e faz-me sentir “em casa”".

   O músico português ainda lembrou um dos shows mais memoráveis de sua vida, quando viu o Sepultura. "Aos dez anos fui ao meu primeiro festival de verão com o meu tio, que era músico. A banda principal daquele dia era o Sepultura e aquele concerto marcou-me. Cheguei a ouvir alguns discos deles, como o Roots e o Chaos A.D.".

   Seu primeiro disco, Brand New Dawn, é uma aula de rock'n'roll! E o trabalho mais recente, Cosmic Attraction, revela um guitarrista mais equilibrado, trazendo alguns blues mais lentos. Vítor é um músico promissor e sua carreira ainda ressoará por longas décadas. Em tempos em que o povo tupi regozija-se com Jojo Toddynho, é aconselhável aumentar o volume e consumir a música de Vítor Bacalhau!        

 

Ugo Medeiros - Essa é a primeira vez que entrevisto um músico de blues-rock português. Já fui a Lisboa, mas não cheguei a conhecer a cena roqueira da cidade, do país. Como é essa cena do blues/rock em Portugal? Digo, há um bom espaço na mídia mainstream? Rádios especializadas? Ou é algo mais underground?

 

Vítor Bacalhau - A cena blues/rock em Portugal move-se na sua maioria num circuito underground ou de nicho, que apesar de limitado, está de muito boa saúde. Há uma série de clubes, associações de Blues, festivais e outros eventos que vão dando visibilidade às bandas dentro do estilo, houve um crescimento muito interessante no últimos anos. Por exemplo, em relação aos festivais de Blues, lembro-me que quando lancei o meu primeiro EP contavam-se pelos dedos de uma mão o número de festivais em Portugal. Atualmente existem cerca de vinte festivais no país todo, o que para um país das dimensões de Portugal é bastante bom! Existe também algum espaço para o estilo, apesar de limitado, tanto em rádios locais como nacionais, ajudando também a divulgação, fazendo com que esta música chegue a diferentes públicos.

 

UM - Quais as bandas estrangeiras você mais escutou na infância? E as portuguesas, alguma que tenha sido fundamental na sua formação?

 

VB - O primeiro disco que me lembro de ouvir foi o Nevermind do NIrvana, quando tinha quatro anos, marcou-me muito. Lembro-me de fazer air guitar ao som desse disco! Fui sempre exposto a muitos estilos de música, desde música clássica a bandas como os Beatles. Durante a minha adolescência ouvi muita música mais pesada como Metallica, Pantera ou os portugueses Moonspell. Quando descobri Led Zeppelin e Jimi Hendrix comecei a "voltar para trás” e cheguei até às raízes desta música: Robert Johnson, Muddy Waters, os três Kings… A lista é infindável!

 

UM - Pouquíssimo de música portuguesa chega ao Brasil, quase sempre referente ao fado e à Amália Rodrigues. Já o contrário é mais comum, a música brasileira sempre fez muito sucesso em Portugal. Alguma coisa da música brasileira participou da sua formação? Algo mais puxado para o rock?

 

VB - Aos dez anos fui ao meu primeiro festival de verão com o meu tio, que era músico. A banda principal daquele dia era o Sepultura e aquele concerto marcou-me. Cheguei a ouvir alguns discos deles, como o Roots e o Chaos A.D.. Fora isso, em Portugal é muito comum ouvir-se música brasileira nas mídias e é natural que consciente ou inconscientemente a música brasileira acabe por nos influenciar.

 

UM - Cara, o seu primeiro disco, Brand New Dawn, é excelente! Nothing on Me, por exemplo, não fica nenhum pouco atrás de uma canção americana, de verdade! Free Wolf é outra faixa muito legal. Na real, o disco todo segue uma linha bem roqueira com muita influência de blues. Poderia falar sobre esse primeiro disco?

 

VB - Muito obrigado! O primeiro disco foi onde realmente comecei a explorar as sonoridades que queria ter presentes na minha música e, apesar do Blues ser o fio condutor que liga todos os outros estilos, é natural que o Rock também esteja sempre muito presente porque faz parte da minha gênese. Foi o primeiro disco onde trabalhamos com o produtor Budda Guedes e daí também nasceu a minha parceria com a editora/selo portuguesa Mobydick Records, que apesar de ser uma nano editora/selo, tem revelado uma força forte no panorama musical português.

 

UM - Vi algumas fotos suas com uma Fender Telecaster, uma guitarra um tanto quanto incomum para um guitarrista solo. Por que essa guitarra? Você também usa outras guitarras? Há momentos específicos para cada guitarra?

 

VB - A minha Telecaster é uma guitarra muito especial para mim. Foi escolhida a dedo no meio de uma mão cheia Telecaster Custom Shop, e por algum motivo inspira-me a tocar de uma determinada maneira e faz-me sentir “em casa”. Toco também regularmente com uma Gibson ES-335 de 1972, que é uma das melhores guitarras que já toquei na vida. Nos concertos deste disco introduzi também um Resonator e de vez em quando levo a minha Gibson SG Jr. de 1962 (é uma guitarra excelente, com um mojo muito próprio, mas muito especifica). Não sou um colecionador, de maneira nenhuma, mas é bom ter alguma escolha, porque cada um destes instrumentos inspira-me a tocar de maneira diferente.

 

UM - A internet é algo muito bacana, um guitarrista holandês conheceu o meu site e mandou o trabalho dele para eu escutar. Pesquisando um pouco sobre ele, li uma referência que ele fazia sobre você. O músico em questão era o Jean Paul Rena. Esse mundo cibernético é bem louco, não? Como vocês se conheceram?

 

VB - A internet tem feito com que o mundo se torne uma aldeia! O Jean Paul passa metade do ano na Holanda e outra metade no sul de Portugal, no Algarve, onde eu nasci e ainda vivo. Conhecemo-nos quando nos cruzamos em alguns palcos e daí surgiu uma excelente amizade. No dia antes da eleição de Trump nos EUA, eu e o Jean Paul estávamos na casa dele e, durante uma jam, surgiu o que seria o tema Who Do You Think You’re Fooling. Escrevemos juntos o tema.  Como estávamos prestes a gravar novos discos, decidimos que incluiríamos o tema nos dois discos. São versões completamente diferentes da mesma música, é interessante ver como duas pessoas podem interpretar a mesma música de maneiras tão distintas!

 

UM - Falemos agora sobre o disco novo, Cosmic Attraction. Foi produzido pelo Budda Guedes, um dos expoentes do blues-rock português. Primeiramente, poderia falar sobre o papel dele para o blues-rock português? Como vocês se conheceram? Poderia falar sobre o papel dele na produção do disco?

 

VB - O Budda é o lider de uma banda chamada Budda Power Blues, que já vai com quase quinze anos de carreira e sete discos gravados. Quando gravei o meu primeiro EP contactei o Budda para ele o mixar, e daí foi nascendo uma amizade. Nós partilhamos de visões musicais idênticas, ele tem-se tornado num quarto elemento da banda durante as gravações dos discos e está constantemente a puxar-me para fora da minha zona de conforto. Me apoia, também, quando acha que estou no caminho certo e isso tem resultado numa relação criativa perfeita!

 

UM - Agora, diretamente sobre o disco. Ele mantém a pegada blues-rock, com canções sólidas, guitarra distorcida e vocais rasgados. Assim como o primeiro, muito bom! Poderia falar sobre a gravação?

 

VB - Neste disco quis quebrar todas as barreiras estilísticas e fazer o que realmente me apetecia! Foi gravado sem metrônomo nem headphones, apenas nós, os três a tocar ao vivo na mesma sala, o que tornou o processo bastante rápido. Isso contribuiu para que as dinâmicas da banda fossem preservadas, tal e qual acontece quando tocamos em concerto. Os basic tracks do disco foram gravados em dois dias, e ainda tivemos um terceiro dia para experimentar e compor no estúdio. Foi nesse dia que surgiu o tema Old Soul, para o qual o Budda escreveu parte da letra e também canta e toca guitarra. Os dias seguintes foram para experimentar alguns overdubs de guitarra, que enalteceram as dinâmicas do disco, e para gravar os takes de voz. Foi um processo “smooth” e, como sempre, de muita aprendizagem e crescimento pessoal, musical e também da nossa química enquanto banda.

 

UM - Esse disco traz algumas canções mais lentas, como I've Been Dreaming, Dirty Little Girl (essa não tão lenta, apenas com algumas partes) e Shooting Star. Elas retratam um momento seu ou foram composições mais "casuais"? Ainda em tempo, sobre blues lentos, quem você considera o melhor artista para um blues mais lento? Por quê?

 

VB - Ao longo do tempo tenho tomado o gosto por esse tipo de composição e com certeza continuarei a fazer em discos futuros. Aprecio muito grandes temas como Since I’ve Been Loving You do Led Zeppelin ou With A Little Help From My Friends na versão de Joe Cocker, são canções como essas que me inspiram para compor os temas mais lentos. Quanto aos meus bluesmen favoritos no que toca a slow blues, adoro Freddie King e também um guitarrista e cantor mais recente, o Matt Scofield. Tive a oportunidade de ver o Matt ao vivo um par de vezes enquanto vivia e estudava em Londres, a maneira como ele constrói um solo de guitarra num slow blues é absolutamente soberba!

 

UM - O disco encerra com Walk Through Fire, um hard rock potente que passa depois para um blues acústico maravilhoso! Adoro blues acústico, cada vez mais, mais até que o elétrico. Poderia falar sobre a canção em si? E sobre os blues acústicos, quais bluesmen são os seus favoritos?

 

VB - O tema acústico que se pode encontrar no fim do disco chama-se Only The Strong Live Long, é uma faixa escondida, que não é referida em lado nenhum no booklet/encarte do disco, propositadamente, para que chegue apenas aos mais curiosos que ouvem realmente o disco até ao fim! Foi a primeira vez que tentei uma canção do gênero num disco. O que se ouve na gravação sou eu a tocar bombo, pratos de choque, resonator e a cantar, e apenas um microfone a captar tudo isto, por sua vez a passar por um amplificador de guitarra! Tomei o gosto por este tipo de interpretação das minhas canções, o que me levou a fazer arranjos acústicos de canções de todos os meus discos e a ir para a estrada em formato solo acoustic. Estes concertos são completamente diferentes dos concertos em power trio, mas sinto que são um bom complemento e dão-me a oportunidade de chegar a novos públicos. Tem sido muito positivo.

 

UM - Você poderia falar sobre os músicos que o acompanham?

 

VB - O João Ventura é o baterista, já toco com ele em diferentes bandas há cerca de doze anos. No baixo e vozes está o Luís Trindade, que também já conheço há bastante tempo. Temos muita estrada a tocar juntos, o que faz com que cada vez a banda esteja mais coesa, considero muito importante, apesar disto ser o meu projeto solo (Vítor Bacalhau).

 

UM - Vítor, muito obrigado pela sua participação e atenção ao Coluna Blues Rock. Mande seu recado final!

 

VB - Muito obrigado pelo interesse na minha música, espero um dia poder levá-la até ao Brasil! Um abraço a todos os leitores.

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

anuncie aqui

Destaques:
Please reload

 procurar por TAGS: 
66185439_3317518094955530_69382078520623