Bate-papo com Willie Walker




A música sempre reserva boas surpresas, mas de tempos em tempos também é cruel e incompreensível. Um desses fatos negativamente inexplicáveis é o pouco reconhecimento de Willie Walker, soulman poderoso marcado por um vocal capaz de congelar a alma de pelo menos três vidas passadas. Dono de uma carreira irrepreensível, o americano foi influenciado, como quase todo músico negro, pelo gospel e pelo blues.

Gravou pela histórica Muscle Schoal, conheceu Curtis Mayfield e... há algumas semanas excursionou pelo Brasil ao lado do talentoso Igor Prado. Graças a este editor abaixo da mediocridade, o que seria uma entrevista de divulgação da turnê transformou-se em um bate-papo isolado no tempo. A fim de manter a honestidade jornalística, o tempo verbal foi mantido.

Sobre o brasileiro Igor Prado, Willie afirmou que "(...) é um guitarrista fenomenal de blues, mas também de outras vertentes musicais. Tenho orgulho de chamar a família Prado de "minha família"". Apesar de respostas curtas e, novamente, da gafe editorial, este bate-papo registra a trajetória de um músico espetacular que presenciou e participou da história do gospel e do soul.


Ugo Medeiros - É sempre um privilégio entrevistar um artista de soul. O Coluna Blues Rock traz diversas matérias/relatos sobre o blues, portanto é muito importante quando há a chance de conversar sobre outra, mas bem próxima, vertente da música negra americana. Você considera o gospel a base dos músicos de soul? Em meados de 1950 você integrou uma banda gospel, Redemption Harmonizers, certo? Você poderia falar sobre o gospel na sua vida? O que você escutava, qual a grande influência?


Willie Walker - Lá bem no início, eu cantava junto com o rádio. Logo percebi que fui influenciado por ouvir Rosco Gordon, Roy Hamilton, Bobby BlueBland, BB King e Sonny Boy Williamson. Na minha adolescência eu me interessei por música gospel, influenciado por Sam Cooke & The Soul Stirrers, Ira Tucker, The Dixie Hummingbirds, Johnny Taylor do The Highway QC's. Tudo isso uma parte importante da minha vida como vocalista.


UM - A sua estreia nos Val-dons foi em uma comunidade judaica? Que curioso! Esta foi a sua primeira banda não religiosa, certo?


WW - Sim. Os Val-dons foram a minha primeira banda não-religiosa.


UM - Você gravou para a Goldwax Records, uma gravadora que gravou vários artistas de soul e gospel. Você poderia falar sobre esse período e toda a experiência que teve na gravadora?


WW - Goldwax não tinha um estúdio de gravação, então gravei em vários estúdios como Phillips, Muscle Schoals e alguns outros estúdios sem nome entre 1965 e 1978.


UM - Eu li um pouco da sua biografia, você gravou com a Checker Records, que era orientada para o blues e apresentava/gravava músicas da Muscle Shoals, tradicional naquele soul sulista. Isso deve ter sido maravilhoso, né?


WW - Eu nunca gravei para a Checker, mas minhas gravações foram "alugadas" para a Checker Records para ganhar mais reconhecimento. Ser capaz de trabalhar com a Muscle Schoal foi uma grande experiência, um grande aprendizado e uma aventura emocionante.


UM - Você conheceu Curtis Mayfield. Como foi?


WW - Conhecer Curtis Mayfield foi um dos pontos altos da minha vida. Eu só queria ter tido a honra de tocar com ele.


UM - O seu disco Memphisapolis é fantástico! Você gravou com os The Butanes. Você poderia falar sobre a banda e o disco?


WW - Trabalhar e gravar com os The Butanes foi uma grande aventura, eles são um grupo de músicos muito talentosos!



UM - Você poderia falar sobre seu último álbum, After a While?


WW - Esse último álbum foi um trabalho de alegria e amor, do início ao fim. A The Anthony Paule Soul Orchestra, com todos os seus talentosos músicos, foi um ajuste perfeito para esta fantástica gravação. Eu amo o estilo da Christine Vitale em compor canções, juntamente com a contribuição de Anthony e algumas minhas também. Tudo isso faz deste álbum muito especial.


UM - Em breve você fará uma turnê brasileira com o Igor Prado. Ele dispensa comentários, é um fenômeno do blues mundial. Como você o conheceu? Você poderia falar sobre ele, quero dizer, musicalmente?


WW - Igor Prado entrou em contato comigo em 2012-13 depois de assistir a um vídeo no Youtube da minha festa de 70 anos no Minnesota Music Cafe, em St. Paul, Minnesota. Eu fui abençoado em viajar para o Brasil inúmeras vezes ao longo dos anos. Eu descobri que Igor é um guitarrista fenomenal de blues, mas também de outras vertentes musicais. Tenho orgulho de chamar a família Prado de "minha família".


UM - Os shows aqui serão com músicas da sua carreira ou mais focados em clássicos? Você poderia mencionar algumas dessas versões que estarão no setlist?


WW - Durante a minha turnê no Brasil, de 21 de fevereiro a 15 de março, o repertório será em grande parte formado por clássicos. Algumas delas são: A change is gonna come, Stand by me, Knock on wood, Turn back the hands of time, Lets stay together.


ENGLISH VERSION:


Ugo Medeiros - It is always a privilege to interview a soul artist. Coluna Blues Rock brings a lot of reports about the blues, so it's very important when there's a chance to talk about another, but very close, path of American black music. Is gospel the base of soul’s musician? In the mid-1950s you were part of a gospel band, Redemption Harmonizers, right? Could you speak of the gospel in your life, what else did you hear, major influence?


Willie Walker - In the very early years, I sang along with the radio. Before long I realized I was influenced by listening to Rosco Gordon,Roy Hamilton,Bobby BlueBland,BB King & Sunny Boy Williams. In my teens I got interested in Gospel music— influenced bySam Cooke & The Soul Stirrers, Ira Tucker,The Dixie Hummingbirds, Johnny Taylor of The Highway QC’s- All a major part of my life vocally


UM - Was your debut in The Val-dons group in a Jewish community? How Curious! This was your first non-religious band, right?


WW - Yes. The Valdons were my first non religious group.


UM - You recorded for Goldwax Records, a label that recorded several soul and gospel artists. Could you talk about this period and all the experience you've had at the record company?


WW - Goldwax did not have a recording studio,so I recorded at various studios such as Phillips,Muscle Schoals & a few No Name studios 1965-1978

UM - I read your biography a bit, you recorded with Checker Records, which was blues-oriented and featured music from Muscle Shoals, traditional in southern soul. That must have been wonderful, huh?


WW - I never recorded for Checker but my recordings were leased to to Checker to gain more recognition.Being able to work with Muscle Schoal was a great learning experience & exciting adventure.

UM - You met Curtis Mayfield. How was it?


WW - Meeting Curtis Mayfield was a life highlight. I only wish I had the honor to perform with him.

UM - Memphisapolis record is fantastic! You recorded with The Butanes. Could you talk about the band and the record?


WW - Working & recording with The Butanes was a great venture- they are a talented group of musicians!


UM - Could you talk about your last album, After a While?


WW - My last album - AFTER A WHILE was a labor of joy & love - from start to finish. The Anthony Paule Soul Orchestra with all its talented musicians was a perfect fit for this fantastic production. I love the song writing style of Christine Vitale -along with input from Anthony & some from me too- makes this a very special album


UM - Soon you will do a Brazilian tour with Igor Prado. Igor, dispenses comments, is a phenomenon of the world blues. How did you meet him? Could I talk about him, I mean, musically?


WW - Igor Prado contacted me in 2012-13 after seeing a Youtube video of my 70th birthday party at Minnesota Music Cafe in St Paul MN. I have been blessed to travel to Brazil numerous times over the years. I discovered Igor is a phenomenal guitar player- of Blues but also of other music venues. I am proud to call the Prado family - my family


UM - Will the shows here be songs from your career or more focused on classics? Could you mention some of those covers that will be on the setlist?


WW - During my tour in Brazil Feb 21- Mar 15 will be mostly classics. Few song titles are - A Change is Gonna Come, Stand By Me, Knock on Wood, Turn Back The Hands of Time, Lets Stay Together.


  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

anuncie aqui

Destaques:
 procurar por TAGS: