Entrevista Charlie Musselwhite

23.05.2020

 

  O mundo está fechado, a sociedade em distanciamento social. O medo do contágio pelo coronavírus quebra a rotina e muda por completo a vida de todos. Sacrifícios, governos expostos ao ridículo e tendências, como as lives das redes sociais, ditando novas formas de relacionamento - sem contato físico, of course! Em meio a esse caos o Coluna Blues Rock retorna às atividades com uma entrevista histórica, simplesmente com o maior gaitista ainda vivo, Mr. Charlie Musselwhite!

    Entediado e irritado com a situação - mas nem por isso impaciente com o entrevistador, pelo contrário! - o mestre da gaita falou sobre o início de carreira e as diversas parcerias. Uma dessas, talvez a mais frutífera, com Ben Harper, a qual Charlie explica como nasceu. "Nos encontrávamos em festivais e continuávamos falando sobre aquele plano, mas estávamos sempre tão ocupados que parecia que nunca teríamos tempo. Finalmente, quando ambos tivemos tempo de ir para o estúdio, gravamos um disco incrível e ganhamos um Grammy!", contou.

     Referência no instrumento e no blues, Charlie é amigo de Flávio Guimarães e conhecedor do blues made in Brazil. Sobre o colega de instrumento, o gaitista disse que "Ele toca com um feeling no qual poucos gaitistas tocam. Sempre gosto de escutá-lo, sempre toca a coisa certa. Fizemos um monte de coisa juntos e espero que possamos fazer novamente"

    A lenda da harmônica ainda falou sobre Big Joe Williams, alguns discos da carreira, o início na gaita e o ator Dan Aykroyd. Dan, além de Caça Fantasma, interpretou um dos personagens mais icônicos da música em Blues Brothers e, dizem, inspirou-se em Charlie Musselwhite. Uma entrevista histórica com uma lenda viva. Entretenha-se em tempos de quarentena!

 

Ugo Medeiros - Você nasceu no Mississippi, a terra original do blues, e logo depois se mudou para Memphis, Tennessee. Tennessee é uma região com muitas tradições musicais (blues, folk, western swing, soul). Você já ouvia o blues quando era jovem ou ouviu outros estilos? Quando você decidiu tocar gaita?

 

Charlie Musselwhite - Certamente eu escutava blues. Nem me lembro da primeira vez que escutei blues. Era apenas uma parte natural do meu ambiente. Ouvia blues de pessoas que cantavam durante o trabalho nos campos perto da minha casa e também na rádio e nas ruas do centro de Memphis. Havia também um músico de blues que cantava e tocava violão em uma rua perto de minha casa. Ele era conhecido como a Scott "cantor de blues da rua". As gaitas estavam ao redor de casa, parece que quase todos os filhos tinham uma gaita. Quando eu era criança, eram apenas um brinquedo barato e comum. Você ganharia uma de natal ou de aniversário. Mas quando eu tinha treze anos percebi o quanto eu gostava de John Lee "Sonny Boy" Willianson, e pensei comigo mesmo: "Você tem uma gaita, por que não tocar os seu próprios blues?". Então eu saí pela floresta e comecei a me ensinar a tocar blues.

 

UM - Como foi a mudança para Chicago? Por lá, você começou ao lado de Mike Bloomfield, certo? E logo vocês dois estavam na banda de Big Joe Williams! Primeiro de tudo, poderia falar sobre a experiência de tocar com uma lenda do blues como Big Joe Williams? E então sua amizade com Mike Bloomfield, que infelizmente nos deixou muito cedo...?

 

CM - Big Joe e eu estávamos tocando juntos antes de conhecer Mike. Joe e eu nos alojamos no porão do JAZZ RECORD MART, na West Grand Avenue. Então me mudei para um quarto atrás para a loja de discos na Wells Avenue. O joe se juntou a mim. Essa é uma versão realmente mais curta, ao final dessa rua havia um bar chamado Big John's. Era um bar sem música, mas durante um final de semana de feriado eles pensaram que seria bacana ter música ao vivo e sabiam que o Big Joe morava por lá. Pensavam que ele era tipo um cantor de folk, não tinham a menor ideia com quem estavam se metendo quando o contratam para tocar naquele feriado. Joe me pediu para tocar gaita com ele. O bar fez um ótimo negócio, venderam tanta bebida a ponto de nos pedirem para continuarmos regularmente. Eventualmente Mike passou a frequentar e escutar-nos. Ele viu que tinha um upright piano lá e perguntou se podia sentar naquele assento. Depois de um tempo Joe quis sair da cidade por algum motivo e, nisso, o Mike acrescentou um baixista e um baterista. Nos tornamos uma banda e a coisa foi crescendo. Foi o início da mudança do South side para o North side. Quando outros bares do North side viram o excelente negócio que o Big John's estava fazendo, todos quiseram o blues. E como os clubes do South side eram menores e não podiam pagar tão bem, todas as bandas passaram a tocar no North side. Como disse, essa foi uma versão reduzida.

 

UM - Em Chicago você conheceu todas as lendas do blues, como John Lee Hooker. Vocês se tornaram bons amigos. Poderia falar como você o conheceu e os ensinamentos dele?

 

CM - John morava em Detroit mas ia regularmente a Chicago para se apresentar. Tão logo o conheci, nos tornamos amigos, amigos bem próximos para sempre. Ele não me ensinou nada, mas tocamos muitas muitas muitas vezes. Também gravamos juntos.

 

UM - O seu primeiro álbum, Stand Back! Here Comes 'Charley' Musselwhite's Southside Band (1967), foi um boom no blues. Nas guitarras Harvey Mandel mostrou seu potencial em 4 pm. Como vocês se conheceram?

 

CM - Não sei ao certo, acho que Barry Goldberg e Steve Miller tinham uma banda chamada Miller/Goldberg Blues Band. Miller saiu e Barry decidiu colocar Harvey e eu. Fomos a Nashville, gravamos um álbum chamado Blowing my Mind e entramos em turnê juntos. Mas Hervey e eu já nos conhecíamos porque eu me lembro dele chegando e sentando comigo e Mike. Portanto já o conhecia antes de nos juntarmos com Goldberg.

 

UM - Ainda sobre Stand Back!, como nasceu a ideia de fazer uma versão de Duke Pearce para Christo Redemptor? Esta canção está ao seu lado por toda a tua carreira, né?

 

CM - Eu escutava muito jazz e aquela canção me pegou. Quando escutei a melodia pela primeira vez soube que queria gravá-la. E assim foi. Ainda a toco em quase toda apresentação e é uma daquelas canções que nunca parecem antiquadas ou chatas, sempre parece nova e viva. Em um certo momento pensei que as pessoas estavam de saco cheio e pensei em tirá-la do meu setlist, mas quando não tocava as pessoas ficavam zangadas... Diziam coisa como "esperei a noite toda para escutar Christo e você não tocou!". Então, continua no set.

 

UM - Eu gosto do blues elétrico com mais potência, mas meu verdadeiro amor é o delta blues. Adoro teu disco Darkest Hour (2003)! Poderia falar sobre o disco e a ideia de gravar um disco inteiramente acústico?

 

CM - Começou como trilha sonora para um documentário sobre aqueles vagabundos que pulavam nos trens clandestinamente. Eles não tinham muito dinheiro para me pagar, mas disseram que eu poderia ficar com as gravações. Quando a minha esposa e eu escutamos em casa nos demos conta que acrescentando mais algumas faixas teríamos o suficiente para um álbum. Então assim fizemos e foi o primeiro lançamento pelo nosso selo Henrietta Records.

 

UM - Certa vez Mark Hummel me disse que "o blues não é choro/lamento triste, mas a alegria para dançar. E enquanto houver pocilgas tocando blues, terão pessoas dançando". Seu disco Juke Joint Chapel é justamente isso, uma aula de blues! Se um ET aparecesse e me perguntasse o que é blues, certamente responderia Juke Joint Chapel!

 

CM - Admiro o teu gosto, obrigado! Sempre digo que o blues é teu companheiro quando você está feliz e teu conforto quando está pra baixo. Esta é a real função da música, para qualquer e toda ocasião.

 

UM - Como nasceu a tua parceria com o Ben Harper? O disco Get Up, gravado pela Stax, ganhou o Grammy para Melhor Disco de Blues! O show de vocês no Rock in Rio de 2013 foi um dos melhores daquela edição...

 

CM - Foi gravado pela Stax, mas vendida para a Stax depois do Ben ter gravado. O conheci em 1993 quando abriu um show para o John Lee Hooker em Mill Valley, California, em um clube chamado The Sweerwater. John sempre me chamava para tocar com ele e eu ia se não tivesse nada agendado. Não pagava nada, mas estava tudo certo porque estava ajudando um velho amigo. Não muito depois daquele show Ben e eu nos encontramos quando o John estava em um estúdio em São Francisco gravando uma canção chamada Burnin' hell. Foi quando nós nos entendemos musicalmente. Até o John disse "vocês soam tão bem juntos, deveriam gravar mais". Ben e eu tivemos o mesmo feeling e por anos conversamos sobre gravar juntos. Nos encontrávamos em festivais e continuávamos falando sobre aquele plano, mas estávamos sempre tão ocupados que parecia que nunca teríamos tempo. Finalmente, quando ambos tivemos tempo de ir para o estúdio, gravamos um disco incrível e ganhamos um Grammy!

 

UM – Agora, poderia falar sobre o novo álbum do Harper/Musselwhite, No Mercy in this Land?

 

CM - Ben escreveu aquela canção sobre o assassinato da minha mãe. Foi bom para mim, foi terapêutico e apreciei como ele se inspirou para escrever essa canção tão profunda. Me deixa aliviado ser capaz de cantá-la toda noite nas turnês.

 

UM - Li que o Dan Aykroyd se inspirou em você para interpretar Elwood no filme Blues Brothers. Verdade ou não, fato é que você participou do Blues Brothers 2000 ao lado de uma constelação de bluesmen. Poderia falar primeiro sobre o Dan Aykroyd e depois sobre o filme?

 

CM - Eu costumava tocar em um clube no Canadá quando o Danny, ainda universitário, apareceu por lá. Não o conhecia mas ele estava lá me observando e decidido a construir seu estilo me tendo como exemplo. Naquela época eu costumava usar terno preto e óculos escuros e tudo mais, mas nunca usei chapéu nem algemas na minha maleta de gaita. Ele acrescentou isso. Ele, pessoalmente, me contou essa estória mais de uma vez e li isso em entrevistas dele inclusive. Danny é um cara legal e realmente ama e fez muito pelo blues. Ele é um bom cara!

 

UM - Você fez muitas parcerias, qual delas mais te marcaram? Tem alguma banda ou artista com quem você sempre quis tocar mas nunca teve a chance?

 

CM - Se eu pudesse voltar no tempo eu adoraria escutar Charlie Patton num sábado à noite durante o auge dele. BB King e eu sempre falamos em gravar juntos mas foi outra situação na qual nunca encontramos tempo. Tem tantos, tantos nomes com quem toquei e conhecia bem: Robert Nighthawk, JB Hutto, Johnny Young, John Brim, Johnny Shines... E, claro, todos os outros como Howlin' Wolf e Muddy. Mais tarde Elvin Bishop e eu fizemos um tipo show em duo em que sentávamos próximo ao outro e fazíamos canções. Intercalávamos com papos e estórias, tirávamos algumas risadas. Gravamos um disco pela Alligator que, acredito, sairá neste outono... Talvez.

 

UM - Você é muito amigo do Flávio Guimarães. Você o considera um dos grandes da atualidade, né? Poderia falar sobre o Flávio e os músicos brasileiro do blues?

 

CM - O Flavio é um grande amigo e é um cara sensacional e um gaitista maravilhoso. Ele toca com um feeling no qual poucos gaitistas tocam. Sempre gosto de escutá-lo, sempre toca a coisa certa. Fizemos um monte de coisa juntos e espero que possamos fazer novamente. Henrietta e eu amamos o Flávio e sua família e amamos demais o Brasil. 

 

UM - I Ain't Lying é o seu último disco, teve ótimas críticas. Poderia falar sobre o disco?

 

CM - Foi uma gravação ao vivo, tem novas canções, algumas antigas, mais outra versão de Cristo Redentor. A imagem atrás é a encruzilhada verdadeira, dizem que é aquela na qual Robert Johnson cantou sobre onde era a Highway 49 e 61. Bem, hoje em dia tem um marco dizendo que é "A" encruzilhada, mas lá no tempo quando Johnson cantava sobre a encruzilhada as tais ruas cruzavam em lugares diferentes. A imagem de trás do disco é onde elas se cruzaram em Clarksdale, Mississippi. Nós temos uma casa em Clarksdale agora e adoramos. Nossa casa é bem no centro, na parte antiga da cidade, bem perto do rio Sunflower. Amo sentar na varanda e olhar o rio. Agora, entretanto, estamos em nossa casa em Sonoma County, Californiam e trancados devido ao vírus Trump, senão estaríamos em Clarksdale.

 

UM – Por favor, mestre Musselwhite, cuide-se e fique seguro. Nós amamos a sua música, precisamos de você vivo!

 

CM - Pode deixar, você também!

 

 

 

 

ENGLISH VERSION

 

Ugo Medeiros - You were born in Mississippi, the original land of blues, and soon after you moved to Memphis Tennessee. Tennessee is a region with many musical traditions (blues, folk, western swing, soul). Did you ever listen the blues when you were young or did you listen others styles? When did you decided to play the harmonica?

 

Charlie Musselwhite - SURE I LISTENED TO BLUES. I CAN’T EVEN REMEMBER THE FIRST TIME I HEARD BLUES. IT WAS JUST A NATURAL PART OF MY ENVIRONMENT. I HEARD BLUES SUNG BY PEOPLE WORKING IN THE FIELDS NEAR MY HOME AND ALSO ON THE RADIO AND STREET SINGERS IN DOWNTOWN MEMPHIS. THERE WAS ALSO A STREET SINGING BLUES GUITAR PLAYER THAT PLAYED ON A STREET NEAR MY HOME. HE WAS KNOWN AS THE SCOTT STREET BLUES SINGER. HARMONICAS WERE ALWAYS AROUND THE HOUSE. SEEMS LIKE ALMOST EVERY KID HAD A HARMONICA. WHEN I WAS A KID THEY WERE JUST A CHEAP AND COMMON TOY. YOU’D GET ONE FOR CHRISTMAS OR YOUR BIRTHDAY. BUT WHEN I WAS ABOUT 13 I REALIZED HOW MUCH I LIKED THE WAY JOHN LEE “SONNY BOY” WILLIAMSON PLAYED AND THOUGHT TO MYSELF, “YOU HAVE A HARMONICA. WHY NOT PLAY YOUR OWN BLUES?” SO I WENT OUT IN THE WOODS AND STARTED TEACHING MYSELF TO PLAY BLUES.  

 

UM - How was the move to CHicago? In Chicago, you started beside Mike Bloomfield, right? And soon you two were in Big Joe Williams band! First of all, could please talk about the experience of playing with a blues legend such as Big Joe Williams? And then your friendship with Mike Bloomfield, who unfortunately left us very early…?  

 

CM - BIG JOE AND I WERE PLAYING TOGETHER BEFORE I KNEW MIKE. JOE AND I ROOMED TOGETHER IN THE BASEMENT OF JAZZ RECORD MART AT 7 WEST GRAND AVE. THEN I MOVED TO A ROOM BEHIND THE OLD WELLS RECORD SHOP ON WELLS AVENUE. THEN JOE JOINED ME THERE TOO. THIS IS A REAL SHORT VERSION BUT DOWN THE STREET FROM THE OLD WELLS RECORD SHOP WAS A NEIGHBORHOOD BAR CALLED BIG JOHNS. IT WAS JUST A BAR WITH NO MUSIC, BUT ONE HOLIDAY WEEKEND THEY THOUGHT IT’D BE NICE TO HAVE SOME LIVE MUSIC AND THEY KNEW BIG JOE LIVED DOWN THE STREET. THEY THOUGHT HE WAS SOME KIND OF FOLK SINGER AND REALLY HAD NO IDEA WHAT THEY WERE GETTING INTO WHEN THEY HIRED HIM TO PLAY THE HOLIDAY WEEKEND. JOE ASKED ME TO PLAY HARP WITH HIM. THE BAR DID GREAT BUSINESS. THEY SOLD SO MANY DRINKS THEY ASKED TO JUST KEEP ON PLAYING AND IT BECAME OUR REGULAR GIG. EVENTUALLY MIKE STARTED COMING BY TO LISTEN. HE SAW THERE WAS AN OLD UPRIGHT PIANO THERE AND ASKED IF HE COULD SIT IN AND SO HE DID. AFTER AWHILE JOE WANTED TO LEAVE TOWN FOR SOME REASON AND WHEN HE DID MIKE ADDED A BASS AND DRUM AND WE BECAME A BAND AND THE BUSINESS KEPT GETTING BETTER. THAT WAS THE BEGINING OF THE BLUES SHIFTING FROM THE SOUTH SIDE TO THE NORTH SIDE. WHEN OTHER NORTH SIDE BARS SAW THE GREAT BUSINESS BIG JOHNS WAS DOING THEY WANTED BLUES TOO. AND SINCE THE SOUTH SIDE CLUBS WERE SMALLER AND COULDN’T PAY AS MUCH ALL THE BLUES BANDS STARTED WORKING THE NORTH SIDE. LIKE I SAY THIS IS THE SHORT VERSION. 

 

UM - In Chicago you knew all the blues legends, among then John Lee Hooker. You two became very friends. Could you talk about how you met him and what he teached to you?

 

CM - JOHN LIVED IN DETROIT BUT HE CAME TO CHICAGO REGULARY TO DO GIGS. THE FIRST TIME I MET HIM WE JUST BECAME IMMEDIATE FRIENDS AND STAYED CLOSE FRIENDS EVER AFTER THAT. JOHN DIDN’T TEACH ME ANYTHING, BUT WE PLAYED TOGETHER MANY MANY MANY TIMES. RECORDED TOGETHER TOO. 

 

UM - Your first album, "Stand Back! Here Comes 'Charley' Musselwhite's Southside Band" (1967), was explosive in the blues.  The great Harvey Mandel on the guitar showed his potential in 4 P.M. How did you two meet?

 

CM - I’M NOT SURE. BUT I THINK THE WAY IT HAPPENED WAS THAT BARRY GOLDBERG AND STEVE MILLER HAD A BAND CALLED THE MILLER/GOLDBERG BLUES BAND. MILLER QUIT AND BARRY DECIDED TO REPLACE MILLER WITH ME AND HARVEY. WE WENT TO NASHVILLE AND MADE AN ALBUM CALLED “BLOWING MY MIND” AND THEN WE STARTED TOURING TOGETHER. BUT HARVEY AND I ALREADY KNEW EACH OTHER BECAUSE I REMEMBER HIM COMING AND SITTING IN WITH ME AND MIKE. SO I ALREADY KNEW HIM BEFORE WE JOINED GOLDBERFG. 

 

 

UM - Still on Stand Back!,  How the idea of doing a Christo Redemptor's cover (Duke Pearce) was born? That song is in your side for all carreer, right?

 

CM - I LISTENED TO A LOT OF JAZZ AND THAT TUNE REALLY CAUGHT MY EAR. WHEN I FIRST HEARD THE MELODY I KNEW I WANTED TO PLAY IT. SO IT DID. I STILL PLAY IT AT NEARLY EVERY GIG AND IT IS ONE OF THOSE TUNES THAT NEVER SEEMS TO GET OLD OR BORING. IT ALWAYS SEEMS FRESH AND ALIVE. AT ONE POINT I FIGURED PEOPLE WERE TIRED OF HEARING IT SO I THOUGHT I SHOULD RETIRE IT FROM MY SETS, BUT WHEN I DIDN’T PLAY IT PEOPLE WERE ANGRY….THEY’D SAY THINGS LIKE “I WAITED ALL NIGHT TO HEAR CRISTO AND YOU DIDN’T PLAY IT!!!!” SO STAYS IN THE SET NOW. 

 

UM - I like electric blues with more power, but my true love is delta blues. I love your album "Darkest Hour" (2003)! COuld you talk about that album and the ideia of recording a full acoustic blues album?

 

CM - IT STARTED OUT AS A SOUNDTRACK FOR A DOCUMENTARY ABOUT HOBOS RIDING TRAINS. THEY DIDN’T HAVE MUCH MONEY TO PAY ME, BUT THEY SAID I COULD HAVE THE RECORDING TO DO WITH AS I WISH. WHEN MY WIFE AND I LISTENED TO IT AT HOME WE FIGURED THAT IF WE JUST ADDED A FEW MORE TUNES WE’D HAVE ENOUGH FOR AN ALBUM. SO WE DID THAT AND IT WAS THE FIRST RELEASE ON OUR LABEL: HENRIETTA RECORDS. 

 

UM - Once Mark Hummel told me the "blues isn't a sad cry/lament, but the joy to dance. And while there was a Juke Joint playing the blues, there would be people dancing!". Your album "Juke Joint Chapel" is just that, its a blues lesson! If an Alien from a different planet came up and asked me what is blues, I would certainly answer "Juke Joint Chapel”!

 

CM - I ADMIRE YOUR TASTE. THANK YOU. I ALWASY SAY BLUES IS YOUR BUDDY WHEN YOU’RE UP AND YOUR COMFORTER WHEN YOU’RE DOWN. IT’S THE ALL PURPOSE MUSIC FOR ANY AND EVERY OCCASION. 

 

UM - How the partnership with Ben Harper was born? The album Get Up recorded by Stax won Grammy for best blues album! The concert at Rock in Rio 2013 was one of best of the festival…

 

CM - IT WAS RECORDED BY STAX, BUT SOLD TO STAX AFTER BEN RECORDED IT. I FIRST MET BEN IN 1993 WHEN HE OPENED FOR JOHN LEE HOOKER IN MILL VALLEY, CALIFORNIA IN A CLUB CALLED THE SWEETWATER. JOHN WOULD OFTEN CALL ME TO COME PLAY WITH HIM AND I’D ALWAYS GO IF I WASN’T WORKING. HE DIDN’T PAY ME ANYTHING, BUT THAT WAS OKAY BECAUSE I WAS HELPING OUT AN OLD FRIEND. NOT LONG AFTER THAT GIG BEN AND I MET UP WITH JLH AT A STUDIO IN SAN FRANCISCO TO RECORD A TUNE OF JOHN’S CALLED “BURNIN’ HELL”. AND THAT’S WHERE WE REALLY CLICKED AND LOCKED IN MUSICALLY. EVEN JOHN SAID “YOU GUYS SOUND SO GOOD TOGETHER YOU SHOULD RECORD MORE TOGETHER”. BEN AND I HAD THE SAME FEELING AND WE TALKED ABOUT RECORDING FOR YEARS. WE’D SEE EACH OTHER AT FESTIVALS, ETC AND KEPT DISCUSSING IT, BUT WE BOTH WERE SO BUSY IT SEEMED LIKE THERE WAS NEVER TIME. FINALLY, WHEN WE BOTH DID HAVE TIME TO GET IN THE STUDIO WE HAD A BLAST RECORDING AND GOT A GRAMMY FOR IT. 

 

UM – Now, could you talk about the new Harper/Musselwhite álbum, No Mercy in this Land?

 

CM - BEN WROTE THAT TUNE ABOUT THE MURDER OF MY MOM. IT WAS GOOD FOR ME. IT WAS LIKE THERAPUTIC AND I APPRECIATED HOW HE WAS INSPIRED TO WRITE THIS DEEP TUNE. IT COMFORTED ME TO BE ABLE TO SING IT EVERY NIGHT TOURING. 

 

UM - I heard that Dan Aykroyd was inspired by you on Elwood, on Blues Brothers the movie. Truth or not, fact is you participated in Blues Brothers 2000 with a constellation of bluesmen. Could you talk first about Dan Aykroyd, then about the movie Blues Brothers?

 

CM - I USED TO PLAY A CLUB IN CANADA WHEN DANNY HUNG OUT WHEN HE WAS A COLLEGE STUDENT. I DIDN’T REALLY KNOW HIM THEN, BUT HE WAS WATCHING ME AND DECIDED TO STYLE HIMSELF AFTER ME. BACK THEN I’D WEAR A BLACK SUIT AND AND WORE SHADES AND ALL THAT, BUT I NEVER WORE A HAT AND I NEVER HAD HANDCUFFS ON MY HARP CASE. DANNY ADDED THAT. HE PERSONALLY TOLD ME THIS STORY MORE THAN ONCE AND I’VE READ IT IN INTERIEWS WITH HIM ALSO. DANNY IS REALLY NICE MAN AND TRULY LOVES THE BLUES AND HAS  DONE A LOT FOR BLUES. HE’S A GOOD MAN!

 

UM - You have made many partnerships, which ones did mark you the most? Is there a musician/band you always wantes to play but you never had the chance?

 

CM - IF I COULD GO BACK IN TIME I’D LOVE TO HEAR CHARLIE PATTON ON A SATURDAY NIGHT IN HIM PRIME. BB AND I OFTEN TALKED ABOUT RECORDING TOGETHER BUT IT WAS ANOTHER SITUATION WHERE WE NEVER FOUND THE TIME. THERE’S SO MANY IT’S TOO MANY TO NAME. ROBERT NIGHTHAWK. FLOYD JONES. JB HUTTO. JOHNNY YOUNG. JOHN BRIM. JOHNNY SHINES. THAT’S JUST SOME OF THE GUYS I PLAYED WITH AND KNEW WELL. THEN THERE’S ALL THE OTHERS LIKE WOLF AND MUDDY, TOO, OF COURSE. LATELY ELVIN BISHOP AND I HAVE BEEN DOING A DUO TYPE SHOW WHERE WE SIT NEXT TO EACH OTHER AND TAKE TURNS DOING TUNES. IN BETWEEN WE TALK AND TELL STORIES AND HAVE SOME LUAGHS. WE’VE RECORDED AN ALBUM FOR ALLIGATOR THAT I THINK WILL COME OUT THIS FALL…..MAYBE. 

 

UM - You're very close to Flavio Guimarães. You consider him one of the greatest harmonica player nowadays, right? Could you talk about Flavio and brazilian blues musicians in general?

 

CM - FLAVIO IS A CLOSE FRIEND AND HE’S A GREAT GUY AND A WONDERFUL HARMONICA PLAYER. HE PLAYS WITH FEELING WHICH I CAN’T SAY ABOUT A LOT OF HARMONICA BLUES PLAYERS. I ALWAYS ENJOY HEARITING HIM AND HE ALWAYS PLAYS THE RIGHT THING. WE HAVE HAD A LOT OF GOOD TIMES WORKING TOGETHER AND I HOPE WE GET TO DO THAT AGAIN. HENRIETTA AND I LOVE FLAVIO AND HIS FAMILY AND WE LOVE BRAZIL VERY MUCH TOO. 

 

UM - Your last solo album is, "I Ain't Lyin' ". The álbum got some good reviews. Could you talk about the record?

 

CM - IT WAS A LIVE RECORDING AND IT HAS SOME NEW TUNES ON IT AND SOME OLDER TUNES PLUS ANOTHER VERSION OF CRISTO REDENTOR. THE PICTURE ON THE BACK IS THE REAL CROSSROADS. PEOPLE LIKE TO SAY THAT THE CROSSROADS THAT ROBERT JOHNSON SANG ABOUT WAS WHERE HIGHWAYS 49 AND 61 CROSS. WELL, TODAY THERE IS A MARKER WHERE THERE’S TWO HGIHWAYS CROSS SAYING IT IS THE CROSSROADS, BUT BACK IN THE DAY WHEN JOHNSON SANG ABOUT THE CROSSROADS THOSE TWO HIGHWAYS CROSSED A DIFFFERENT PLACE AND THE PICTURE ON THE BACK OF “I AIN’T LYIN’” IS WHERE THEY CROSSED THEN AND THAT’S IN CLARKSDALE, MISSISSIPPI. WE HAVE A HOME IN CLARKSDALE NOW AND WE LOVE IT THERE. OUR HOME IS RIGHT DOWNTOWN IN THE OLD PART OF CLARKSDALE RIGHT ON THE SUNFLOWER RIVER. I LOVE TO SIT ON MY BACK PORCH AND WATCH THE RIVER FLOW. RIGHT NOW THOUGH, WE’RE AT OUR OTHER HOME SONOMA COUNTY, CALFIFORNIA AND LOCKED DOWN DUE TO THE TRUMP VIRUS OR WE’D WOULD BE IN CLARKSDALE RIGHT NOW. 

 

UM – Please, master Musselwhite, take care and be safe. We love your music, we need you alive!

 

CM - I WILL AND YOU DO THE SAME. 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

anuncie aqui

Destaques:
Please reload

 procurar por TAGS: 

© 2017 Coluna Blues Rock

Brasil

  • Instagram ícone social
  • Twitter Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon