Entrevista Kid Andersen


Kid Andersen é um guitarrista de mão cheia e, cada vez mais, se consolida como o maior produtor de blues da atualidade. O norueguês descobriu o estilo ainda na terra natal, onde também começou a tocar, mas foi a partir da mudança para os EUA que viu sua carreira decolar. "E, vamos ser sinceros... você só pode fazer tanta afirmação no blues, morando nos EUA. Eu acho que você tem que estar na cultura de onde é e ainda vive. Caso contrário, sempre parecerá falso para mim. Ser o melhor músico de blues da Noruega é como ser o melhor Sushi Chef do México. Ninguém se importa! (rs)", brincou Kid.

O Coluna Blues Rock já o entrevistara em 2014 durante o Festival Internacional de Jazz & Blues de Rio das Ostras, na ocasião o músico fora extremamente atencioso e educado. Desta vez, além da simpatia conhecida, Kid Andersen foi sincero e falou sobre temas complicados, como os excessos nas drogas e no álcool. "Na verdade, eu havia saído da banda de Charlie Musselwhite algumas semanas antes, porque eu ia começar uma banda com um bom amigo meu, que era mais próximo da minha idade. E você sabe, eu estava na casa dos 20 anos e pensei que seríamos estrelas do rock, então eu disse a Charlie que estava deixando a banda para perseguir essa outra banda. O que acabou acontecendo imediatamente, em nossa PRIMEIRA turnê juntos, foi que eu estava bebendo fora de controle, destruindo quartos de hotel (por acidente, risos), brigando com os proprietários de clubes e colegas de banda e foi muito destrutivo, então fui demitido".

Exorcizados antigos demônios, o noruguês, que já integrou a banda de Charlie Musselwhite, atualmente também está na banda de outro gaitista lendário, Rick Estrin and the Nightcats. "(...) é realmente muita energia e diversão e merda louca. Essa é uma grande parte de mim, assim como o lado sério do blues é uma grande parte de mim, e eu amo tocar com Rick porque fazemos as duas coisas, BASTANTE", explicou o músico/produtor noruguês.

Ugo Medeiros - Você é norueguês. Como o blues chegou até você? A propósito, existe uma cena de blues na Noruega?

Kid Andersen - Há uma cena de blues realmente boa na Noruega, eu diria que às vezes é a melhor da Europa. O Notodden Blues Festival, um dos melhores e maiores do mundo, era perto de onde eu cresci. Eu notei o blues pela primeira vez quando estava assistindo o noticiário um dia com minha avó, e eles mostraram algumas imagens deste festival. Deve ter sido por volta de 1991, talvez 1990. Lembro claramente que era a banda de Robert Cray, e eu vi Robert e Richard Cousins no baixo, e eles estavam tocando lentamente. Lembro que pensei que esses eram os caras mais legais que eu já tinha visto, e o som deles tocando era da pesada. Foi um momento muito curto, mas realmente me levou a descobrir mais sobre o blues.


UM - Você é um guitarrista renomado e muito respeitado, mas também toca piano e outros instrumentos nas gravações. Qual desses instrumentos veio primeiro?


KA - O primeiro instrumento que toquei foi o piano. Minha avó tinha um piano na casa dela, porque meu avô tocava piano e órgão na igreja. Minha irmã também tinha um piano em casa, mas parecia muito monótono. O piano que minha avó tinha era muito velho, muito alto, brilhante e desafinado, e eu gostei mais disso. Ninguém me ensinou a tocar, eu apenas me sentava sozinho e tentava encontrar as melodias que conhecia nas teclas. Apenas de ouvido, procurando as notas certas que estavam na minha memória. Eu nunca toquei muito piano naquela época, mas foi a ferramenta que me ensinou como a música funcionava. Eu tinha um violão de brinquedo com duas cordas, depois com apenas uma, e fiz a mesma coisa, apenas procurei no braço da guitarra até encontrar as notas que procurava. Mais tarde, quando eu tinha 10 e 11 anos, a guitarra elétrica se tornou muito popular em minha cidade natal e em todas as crianças mais velhas, as de 15 e 16 anos, tocavam violão. Meu primo Mats era o melhor guitarrista da cidade. Ele me disse para comprar um violão de verdade e me ensinaria. Então, pedi aos meus pais que me arranjassem um no meu aniversário de 11 anos, e eles o fizeram. Um de corda de nylon acústico. Então comecei a aprender e aprendi rapidamente.


UM - Como foi a mudança para os EUA? Você já vivia financeiramente do blues na Noruega?

KA - Sim, eu fiz isso por dois anos em Oslo. Saí do meu último emprego aos dezenove anos, depois que consegui um show de verão com um cantor texano muito legal chamado RC Finnigan. Depois disso, fiz alguns amigos e comecei a tocar na banda da casa de um novo clube de blues em Oslo, iniciado por um baterista amigo meu, Rune Pettersen. Tínhamos feito alguns shows juntos, eu, Rune e Bill Troiani, outro americano, de Nova York, no baixo. Rune tinha um amigo que começou esse clube de blues, e era o único lugar no país que tocava blues ao vivo sete noites por semana. Eles traziam artistas de blues americanos, e tocávamos como sideband deles por duas semanas de cada vez. Toquei com Homesick James, Nappy Brown, Jimmy Dawkins, Gary Primich, Big Bill Morganfield, Jimmie Lee Robinson, Willie Big Eyes Smith, Tail Dragger e muitos outros. Eu já tinha estudado muito bem o blues clássico desde os doze anos, então eu me encaixava bem no trabalho, e foi um período incrível na minha vida, e no blues norueguês. Mas eu queria vir para a América, REALMENTE me envolver nessa música e viver minha vida aqui. Então, eu estava sempre procurando o show certo. E então apoiamos Terry Hanck, o saxofonista, e nos demos bem, e ele me ofereceu um emprego com sua banda em Santa Cruz, Califórnia, e eu disse SIM e me mudei para cá em 7 de março de 2001. Acho que foi um pouco difícil me adaptar a viver aqui no começo, mas mesmo nos primeiros dias em que não conhecia ninguém aqui, nunca pensei em voltar para casa. Meus ancestrais eram vikings, e, embora sejam talvez os mais famosos por matar, estuprar e roubar, mais tarde percebi que o que realmente os motivava era o desejo de aventura. E também, para deixar um legado duradouro, acho que você poderia chamá-lo de fama, ou simplesmente ser comentado por gerações depois que você se for. Na sociedade norueguesa moderna, não sinto mais esse espírito. Para a sociedade como um todo e seu povo, é uma coisa boa. Eles são muito civilizados agora. É um ótimo lugar, mas achei sufocante. A vida lá é muito confortável e previsível, mas sempre me senti como se pertencesse a um lugar como os EUA. Os EUA têm muitos problemas e podem aprender muito com diversos países europeus a como administrar as coisas. Mas, toda vez que vou a algum lugar, quando volto para os EUA e saio do aeroporto, todo o meu corpo se enche de emoção novamente, porque sinto que AQUI tudo pode acontecer. E, vamos ser sinceros... você só pode fazer tanta afirmação no blues, morando nos EUA. Eu acho que você tem que estar na cultura de onde é e ainda vive. Caso contrário, sempre parecerá falso para mim. Ser o melhor músico de blues da Noruega é como ser o melhor Sushi Chef do México. Ninguém se importa! (rs). Então, se eu quisesse fazer um nome para mim, conhecer e brincar com meus heróis, no mundo real, SEU mundo, eu teria que me mudar para cá. Amo minha vida nos EUA e não quero morar em nenhum outro lugar. No meu coração, sinto-me tanto como americano quanto norueguês, talvez até mais.


UM - Como foi a recepção de músicos americanos a um guitarrista norueguês? Houve algum tipo de desconfiança/preconceito no início?


KA - Não, nunca me senti assim. Muito empolgado ao ouvir um guitarrista de blues da Noruega, porque era incomum e os deixou curiosos. E acho que venceria rapidamente os duvidosos com a minha música. De qualquer forma, ser de outro país era uma vantagem, porque me fazia destacar.


UM - Como você chegou à banda de Charlie Musselwhite? Vocês ganharam um Blues Music Award, certo?


KA - Quando eu morava em Santa Cruz, tornei-me muito amigo do baterista June Core, que eu havia visto tocar em 1998 com Little Charlie e os Nightcats em um show da Oslo Blues Society. Ele fez alguns shows com Terry e também tocamos com bandas locais, e ele morava muito perto de mim, então eu ia ao apartamento dele com frequência, e ficávamos bêbados, assistíamos filmes e ouvíamos música. Ele é um dos melhores amigos que já tive, e uma das melhores pessoas que eu conheço, sem mencionar que ele é um dos MUITOS MUITO GRANDES bateristas de blues que existem hoje. Ele é um verdadeiro artista. Ele havia parado de tocar no Nightcats em 1999 ou 2000, porque na época em que eles estavam em longas turnês, isso o esgotava e ele queria uma pausa. Então ele estava apenas fazendo shows locais algumas coisas no começo, mas então ele recebeu o show com Charlie Musselwhite, e ele aceitou, e ele ainda está com ele hoje. Enfim, eles tinham o Kirk Fletcher na guitarra, mas ele saiu para o Fabulous Thunderbirds, e June me recomendou ao Charlie. Charlie me ligou e basicamente me contratou para o show sem nem me ouvir tocar! Eu fiquei na banda entre 2003-2008. Ganhamos vários Blues Music Awards pelo CD Delta Hardware.


UM - Logo depois você foi chamado por Rick Estrin para se juntar ao The Nightcats. Rick e Charlie são duas lendas da gaita, quais são as diferenças no dia a dia de trabalho com cada um deles?


KA - Na verdade, liguei para Rick, mas por outro motivo, todos juntos. Liguei para Rick porque tive um problema com o álcool que estava fora de meu controle. Na verdade, eu havia saído da banda de Charlie Musselwhite algumas semanas antes, porque eu ia começar uma banda com um bom amigo meu, que era mais próximo da minha idade. E você sabe, eu estava na casa dos 20 anos e pensei que seríamos estrelas do rock, então eu disse a Charlie que estava deixando a banda para perseguir essa outra banda. O que acabou acontecendo imediatamente, em nossa PRIMEIRA turnê juntos, foi que eu estava bebendo fora de controle, destruindo quartos de hotel (por acidente, risos), brigando com os proprietários de clubes e colegas de banda e foi muito destrutivo, então fui demitido. Eu disse ao Charlie que estava deixando a banda por volta do Natal. No dia do ano novo, fui demitido da minha nova banda!

Mas eu conhecia o Rick, porque eu era casado com uma mulher em Sacramento na época, e desde que Rick morava em Sacramento, nós nos víamos com frequência, e eu comecei a gravar e ter um pequeno estúdio em casa, e eu gravei um CD para ele. Já éramos bons amigos, e eu sabia que ele era uma pessoa em recuperação, que lutara tanto com o vício em heroína quanto com o alcoolismo, mas agora estava sóbrio há mais de 25 anos. Então, eu sempre senti que podia falar com ele, porque sabia que tinha um problema com a bebida e fiquei fascinado por Rick, e como ele podia ser tão legal e divertido, e não beber ou usar drogas. E ele era apenas uma pessoa muito boa e bom amigo, fácil de conversar. Então, no dia do Ano Novo de 2008, depois que fui demitido, decidi que já tinha o suficiente e não podia continuar bebendo e arruinando minha vida. Então liguei para Rick no telefone, contei o que havia acontecido e perguntei se ele iria me ajudar a ficar sóbrio e aprender a viver sem álcool, do jeito que ele era. Claro que ele disse que ajudaria, mas então ele também disse que Little Charlie havia dito a toda a banda na noite anterior, que estava deixando o ramo da música e que estava falando sério. Rick disse: "Talvez pudéssemos ter uma banda juntos?!?!". Eu não podia acreditar que ele me perguntaria isso, especialmente depois que eu acabei de dizer que fui demitido na noite anterior. Mas ele acreditou em mim, e nós começamos a banda, e eu parei de beber.

Charlie Musselwhite também me disse que, se eu quisesse, poderia mudar de idéia e permanecer na banda dele. Isso me fez sentir tão bem, mas eu disse a ele que achava que as coisas que aconteciam comigo e com Rick eram um sinal de que era isso que eu deveria estar fazendo agora. E não pude ignorar esse sinal, mesmo que o futuro dos Nightcats fosse muito incerto neste momento. Além disso, por mais que eu adorasse tocar com Charlie, ainda mantemos contato e fazemos música juntos, não é da minha natureza ou dos meus genes viking dar meia-volta e voltar quando houver uma nova aventura desconhecida no horizonte . Mesmo motivo, nunca quis voltar para a Noruega.

Estar na banda de Charlie e estar no Nightcats, há algumas coisas que são diferentes. Rick Estrin e The Nightcats parecem mais estar em um grupo de iguais. Todos os quatro caras são essenciais. Eu adorava estar na banda de Charlie, mas as pessoas vêm aos shows dele para vê-lo, mesmo que a banda atual seja realmente ótima. Mas Charlie é uma estrela sozinha, e minhas coisas favoritas são quando ele toca violão e harpa sozinho. O verdadeiro blues profundo. Ele é uma das poucas pessoas no mundo que podem fazer isso, com toda a autenticidade dos grandes nomes. Rick também é um músico e cantor de blues profundo, mas também incorporamos muito mais coisas diferentes em nosso show. Quando eu comecei a tocar com Rick, muitas pessoas disseram "Uau, Kid Andersen realmente saiu da sua concha" porque nosso show com Rick é muito enérgico e divertido, e há muito humor louco, carisma e palhaçada, para acompanhar os blues profundos. Mas eu sempre fui assim. Mas Charlie Musselwhite fica bem parado e entrega seu blues de uma maneira muito mais suave. Esse é o estilo dele e funciona muito bem para ele. Mas não posso estar ao lado de Musselwhite, brincando com os dentes, fazendo truques de mágica e agitando meus membros no ar ao lado dele. Eu pareceria um idiota! Mas com os NIGHTCATS... isso já faz parte da tradição deles, e estou acrescentando a isso, e é muito natural para mim. E agora que temos o D'mar na bateria, é realmente muita energia e diversão e merda louca. Essa é uma grande parte de mim, assim como o lado sério do blues é uma grande parte de mim, e eu amo tocar com Rick porque fazemos as duas coisas, BASTANTE.

UM - Quais guitarras e equipamentos você costuma usar em shows?


KA - Eu tenho muitas guitarras e amplificadores em casa, em Greasleand, e eu estou bem para tocar qualquer coisa. Mas eu gosto de usar minha guitarra Grez Mendocino que foi feita para mim. Sempre toca e soa muito bem, posso obter uma grande variedade de tons e tons ÚNICOS, e é muito leve e, o mais importante, é muito inspirador de tocar. Para amplificadores, já que vamos a tantos lugares, geralmente eu tenho que tocar amplificadores de backline que eles têm aonde vamos, e prefiro amplificadores como um Fender Super Reverb, Bassman ou Vibrolux, se for vintage. A maioria dos amplificadores eu posso lidar. Os que eu gosto MENOS são aqueles com os quais frequentemente fico preso, são a reedição de Twin Reverbs (muito limpos, som bem encrespado e MUITO ALTOS!) e os amplificadores Fender Hot Rod Deville e Deluxe. Eles soam bem no “volume doméstico”, mas soam como merda no volume do show. Eu sempre carrego um pedal Boss Fender Reverb 63, e isso faz com que os amplificadores Hot Rod soem muito melhores.


UM - Você atualmente também produz álbuns do Rick Estrin & The Nightcats. Como é produzir sua própria banda sendo liderada por uma lenda do blues?

KA - Bem, parece muito natural. Todos contribuímos para esses álbuns, todos compartilhamos a mesma visão e, com cada álbum, ficamos cada vez mais confiantes sobre o que é o nosso estilo. É uma combinação única de influências, e acho que funciona muito bem juntas. Eu me divirto trabalhando com Rick. Ele era meu ídolo quando eu era jovem. Bem, ele ainda é, mas ele também é meu melhor amigo, somos como uma família. A banda toda, na verdade. Então é fácil, porque todo mundo confia em mim, e todos podemos ser honestos um com o outro quando se trata de música. A coisa mais difícil para mim é produzir-me tocando guitarra. É muito fácil começar a fazer solos repetidas vezes, e se perder e não saber quando parar. Então eu quase sempre uso as faixas de guitarra que eu toco quando todos tocamos a música juntos. Quando eu era mais jovem, sempre senti que tinha que provar alguma coisa. Como "olha, eu posso fazer isso e posso fazer aquilo" e sempre tentando impressionar de alguma forma. Mas agora, eu gravei tantas gravações que não me importo mais em pensar assim. O que quer que eu toque, quando tocamos JUNTOS, e a energia é boa, é isso que está acontecendo no disco. Se eu estragar alguma coisa REALMENTE ruim, eu posso consertar (rs). Mas o principal agora é que eu fique confortável com a forma como toco e fique bem com “Foi o que eu escolhi tocar naquele momento, quando não pensei no que tocar, então é assim que eu toco!”. Se soa como EU, e se encaixa na música, é a decisão certa.


UM - Kid, sério, te acho o maior produtor de blues da atualidade...


KA - Em tamanho, bem possível... (rs)


UM - Todo grande álbum atualmente tem sua participação, seja na produção ou em algum instrumento. Conheço três músicos brasileiros que gravaram com você: Rodrigo Mantovani (Nick Moss Band), Netto Rockfeller e John Harp. Todo mundo te elogiou demais ...

KA - Bem, todos esses são pessoas muito boas! O povo brasileiro é muito bom, alguns grandes músicos também!


UM - Quais são os maiores desafios na produção de outro músico? KA - Isso é diferente quase sempre. O aspecto técnico da gravação é apenas uma pequena parte dela. Claro, você precisa ter essas habilidades. Você precisa saber como trabalhar com seu equipamento e saber como obter o som que deseja. Mas ter essa habilidade sozinha não fará de você um produtor. Você também é como um terapeuta, conselheiro e mediador. Você precisa ler o comportamento das pessoas, para que elas se sintam confortáveis e confiantes no que elas estão fazendo. E você tem que entender a dinâmica da banda. Não apenas dinâmica MUSICAL, mas você deve ficar de olho na dinâmica pessoal. Para que, se houver uma situação problemática, você saiba como lidar melhor com ela e parar de interromper a produtividade. A solução de problemas, em todas as suas formas, é uma habilidade essencial para ser um produtor. Descobrir como obter os melhores resultados em situações abaixo das ideais. E, é claro, CONHECENDO a música, sabendo instintivamente o que uma música deveria ou poderia parecer, e como chegar lá. Entendendo os pontos fracos e fortes dos artistas. E saber o que dizer ou fazê-los para enfatizar os pontos fortes e melhorar os pontos fracos. TODAS essas coisas são muito mais importantes do que "que tipo de microfone caro devo usar". Sou muito ativo como produtor. Se eu quero que um artista cante uma linha de maneira diferente, eu canto para eles. Se eu quero que um membro da banda toque algo diferente, tocarei para eles se for preciso. Se eles não conseguirem, eu agarro seus dedos e mostro onde quero que eles sejam colocados. E se eles não querem fazer assim, ou percebo que não conseguem, então seguimos em frente e fazemos de outra maneira. E muitas vezes, a melhor coisa que posso fazer é nada. Não pegue algo que esteja funcionando e esteja se sentindo bem e comece a foder com ele. Meu trabalho é criar a melhor representação possível de quem é o músico e o artista. Não quero que todos pareçam iguais, quero que todos pareçam eles mesmos, mas a melhor versão possível. Se um guitarrista é roqueiro, não tentarei fazê-lo soar como um tocador de blues dos anos 1950. Ele deve então ser Rock!


UM - Por exemplo, o que fazer quando ele quer algo que você tem certeza que não funcionará?


KA - Bem, antes de tudo, é importante lembrar que, se isso acontecer, o artista está ouvindo ALGO em sua cabeça, e em sua cabeça, essa ideia soa BOM. E para lembrar que posso estar errado. Se eles querem experimentar, vamos tentar, se houver tempo. Se, em seguida, ouvirmos de volta e eles perceberem que não é o que ouviram em sua mente, meu trabalho é descobrir o que eles realmente ouviram na mente deles e como conseguirmos isso. Às vezes, os artistas não sabem como comunicar o que estão ouvindo na cabeça de uma maneira que a banda possa entender. Eles apenas sabem quando não está certo. É aí que ajudo, porque tenho um bom entendimento fundamental de como os diferentes instrumentos e partes funcionam. Quando faço o meu trabalho direito, posso puxar a música que a mente do artista faz, traduzir e mostrá-la à banda. Em um bom dia, para fazer isso, é importante ter muitos pontos de referência musicais, conhecer MUITA música e diferentes tipos, por dentro e por fora. Ouvir é a coisa mais importante que fazemos como músicos. Não necessariamente tocar. Eu acho que você deve ser bom o suficiente para não precisar usar todo o cérebro para fazer sua parte. Use 40% do seu cérebro para tocar, use os outros 560% para OUVIR todo o resto da música, para ouvir como você se encaixa.


UM - Conheço alguns grandes músicos de blues brasileiros que querem ir para os EUA. Qual conselho você daria?

KA - Aguarde o vírus desaparecer! E Trump!!! Não, eu realmente não sei. Todo mundo tem que encontrar seu próprio caminho na vida. Mas faça uma pequena pesquisa primeiro, descubra para onde você quer ir e entre em contato com algumas das pessoas nessa cena. Alguns deles farão contato com certeza. Mas seja esperto. Escrevendo a um músico nos EUA e dizendo "Olá, eu sou assim e assadodo Brasil. Eu quero vir para a América, por favor me dê um show". Isso é meio chato. Principalmente, os músicos aqui não estão procurando mais músicos para conseguir shows. Se você quer começar a conhecer um músico de quem realmente gosta, peça a ele que lhe dê uma lição. Contrate-os para um show no Brasil primeiro, se puder, e construa uma rede dessa maneira. Então, quando você vier para os EUA, eles já estarão contigo. E vá para jams, mas não seja um incômodo. Não espere nada de outros músicos imediatamente. Se você for a uma jam e eles fizerem uma banda de merda, não reclame. Demora um tempo para as pessoas conhecerem você e o que você pode fazer. Muitos músicos são legais e irão ajudá-lo, mas torne-se conhecido como um cara legal que não incomoda as pessoas para shows e outras coisas. Ninguém gosta de um novato insistente que quer tudo imediatamente. Se você for bom, as pessoas descobrirão eventualmente. Se você é sério e não desiste, o sucesso pode aparecer no seu caminho.



ENGLISH VERSION


Ugo Medeiros - You are Norwegian. How did the Blues come to you? By the way, is there a blues scene in Norway?


Kid Andersen - There is a really good Blues Scene in Norway, I would say it has been at times the best in Europe. The Notodden Blues Festival, one of the best and biggest in the world, was close to where I grew up. I first noticed the blues when I was watching the news one day with my grandma, and they showed some footage from this festival. It must have been about 1991 maybe 1990. Remember very clearly it was the Robert Cray band, and I saw Robert and Richard Cousins on the bass, and they were playing a slow shuffle. I remember I thought those were the coolest looking guys I had ever seen, and the sound of them playing was so tough. It ws a very short moment, but it really triggered me to find out more about blues.


UM - You are a renowned guitarist and very respected, but you also play piano and other instruments very well in the recordings. Which of these instruments came first?


KA - The first instrument I ever played was the piano. My grandmother had a piano in her house, because my grandfather played piano and organ in church. My sister had a piano at home too, but it sounded very dull. The piano my grandmother had was very old, very loud and bright and out of tune, and I liked that better. Nobody taught me how to play, I would just sit down when I was on my own, and try to find melodies I knew on the keys. Just by ear, by searching for the right notes that were I my memory.

I never played piano that much back then, but it was the tool that taught me how music worked. I had a toy guitar with two strings, later just one string, and I did the same thing on that, just searched around the fretboard until I found the notes I was looking for. Later, when I was 10 and 11 years old, the electric guitar became very popular in my hometown and all the older kids, the 15 and 16 year olds all played guitar. My cousin Mats was the best guitar player in town. He told me to get a real guitar, and he would teach me. So I asked my ;parents to get me one for my 11th birthday, and they did. A nylon string acoustic. Then I started learning, and I learned pretty quickly.


UM - How was the move to the USA? Have you ever lived financially on the blues in Norway?


KA - Yes, I did it for 2 years in Oslo. I quit my last job when I was 19 after I got a summer gig with a really cool Texan singer named RC Finnigan. After that I made some friends, and I got the gig playing in the house band at a new blues club in Oslo, that was started by a drummer friend of mine, Rune Pettersen. We had done some gigs together, Rune and I and Bill Troiani, another American, from NYC, on bass. Rune had a friend who started this blues club, and it was the only place in the country that had live blues 7 nights a week. They would bring American blues artists over, and we would play behind them for 2 weeks at a time. I played with Homesick James, Nappy Brown, Jimmy Dawkins, Gary Primich, Big Bill Morganfield, Jimmie Lee Robinson, Willie Big Eyes Smith, Tail Dragger and many many more. I had already very thoroughly studied classic blues since I was 12, so I was a good fit for the job, and it was an amazing time in my life, and in Norwegian Blues. But I wanted to come to America, to REALLY be involved in that music, and to live my life here. So I was always looking for the right gig. And then we backed up Terry Hanck, the sax player, and we hit it off, and he offered me a job with his band in Santa Cruz, California, and I said YES, and I moved here March 7, 2001.

I guess it was a little hard getting adjusted to living here at first, but even in the very early days when i didn’t know anybody here, I never once considered going back home. My ancestors were Vikings, and even though they are maybe most famous for their killing, raping and stealing, I have later realized that what was really driving them, was a lust for adventure. And also, to leave a lasting legacy, I guess you could call it fame, or simply being talked about for generations after you are gone. In modern Norwegian society, I do not feel that spirit much anymore. For society as a whole and its people, its a good thing. They are very civilized now. It’s a great place, but I found it stifling. Life there is very comfortable and predictable, but I always felt like I belonged in a place like the US. The USA has many problems, and could learn a LOT from how many European countries are run. But, every time I go somewhere, when I return to the USA, and walk out of the airport, my whole body fills with a kind of excitement again, because I feel like HERE, anything could happen. And, let’s face it… you can only make so much of a statement in Blues, living in US. I think you HAVE to be in the culture where it is from and still lives. Otherwise, it will always sound phony to me. Being the best blues musician in Norway is like being the best Sushi Chef in Mexico. Nobody cares! LOL So if I was going to make a name for myself, and get to know and play with my heroes, in the real world, THEIR world, I had to move here. I love my life in the US, and I don’t want to live anywhere else. In my heart, I feel just as much as an American as I do a Norwegian, maybe even more.


UM - How was the reception of American musicians to a Norwegian guitarist? Was there any kind of distrust / prejudice at first?


KA - No, I never felt like that. Most very excited to hear a blues guitarist from Norway, because it was unusual and it made them curious. And I think that I would win over the doubters pretty quickly with my playing. If anything, being from another country was an advantage, because it made me stand out.


UM - How did you get to Charlie Musselwhite's band? You guys won a Blues Music Award, right?


KA - When I lived in Santa Cruz, I became very good friends with the drummer June Core, whom I had first seen play in 1998 with Little Charlie and the Nightcats at a concert for the Oslo Blues Society. He did some gigs with Terry and we also played with local bands together, and he lived very close to me, so I would go to his apartment frequently, and we would get drunk and watch movies and listen to music. He’s one of the best friends I have ever had, and one of the best people I know, not to mention he’s one of the VERY few truly GREAT blues drummers living today. He’s a true artist. He had stopped playing with the Nightcts in 1999 or 2000, because at the time they were touring SO MUCH, that it wore him out and he wanted a break. So he was just doing local gigs an stuff at first, but then he got offered the gig with Charlie Musselwhite, and he took it, and he's still with him today. Anyways, they had a Kirk Fletcher on guitar, but he left to be in the Fabulous Thunderbirds, and June recommended me to Charlie. Charlie called me and basically hired me for the gig without even hearing me play! I was in that band in 2003-2008. We won a bunch of Blues Music Awards for the CD “Delta Hardware”


UM - Soon after you were called by Rick Estrin to join The NIghtcats. Rick and Charlie are two harmonica legends, what are the differences in the day by day work with each of them?


KA - Actually, I called Rick, but for another reason all together. I called Rick because I had a problem with alcohol that was out of my control. And I had actually quit Charlie Musselwhite’s band a few weeks before, because I was going to start a band with a good friend of mine, who was closer to my age. And you know, I was in my 20s, and I thought we were going to be rock stars, so I told Charlie that I was leaving the band to pursue this other band. What ended up happening, right away, on our FIRST tour together, was that I was drinking out of control, I was destroying hotel rooms (by accident LOL), getting in fights, with both club owners and bandmates and was very destructive, so I got fired. I told Charlie I was leaving his band around Christmas. On new years day I was fired from my new band!

But I had gotten to know Rick, because I was married to a woman in Sacramento at the time, and since Rick lived in Sacramento, we would see each other often, and I had started recording and having a little studio at home, and I recorded a CD for him. We were already good friends, and I knew that he was a person in recovery, who had struggled with both Heroin addiction and alcoholism, but he was now sober for over 25 years.

So I always felt like I could talk to him, because I knew I had a problem with drinking, and I was fascinated by Rick, and how he could be so cool, and so much fun and NOT drink or do drugs. And he was just a very good person and good friend that was easy to talk to.

So on New Years day, 2008, after I had been fired, I decided that I had had enough, and I could not continue to drink and ruin my life. So I called Rick on the phone, and I told him what had happened and I asked him if he would help me to get sober and learn how to live without alcohol, the way he was.

Of course he said he would help. But then he also said that Little Charlie had told the whole band the night before, that he was quitting the music business, and he was serious.

Rick said “Maybe WE could have a band together?!?!”. I could not believe that he would ask me that, especially after I had just told him that I got fired the night before. But he believed in me, and we did start the band, and I did stop drinking.

Charlie Musselwhite also told me that if I wanted to, I could change my mind and stay in his band. That made me feel so good, but I told him that I thought the way things happened with me and Rick, it was a sign that THAT was what I was supposed to be doing now. And I couldn’t ignore that sign, even though the future for the Nightcats was very uncertain at this point.

Plus, as much as I LOVED playing with Charlie, and we still stay in touch and make music together, it is not in my nature or in my Viking genes to turn around and go back, when there is new, uncharted adventure on the horizon. Same reason I never wanted to move back to Norway.

Being in Charlie’s band and being in The Nightcats, there’s some things that are different. Rick Estrin & The Nightcats feels more like being in a band of equals. All 4 guys are essential. I loved being in Charlie’s band, but people come to his shows to see HIM, even though his current band is really great. But Charlie is a star all by himself, and my favorite stuff is when he plays guitar and harp by himself. The real deep blues. He’s one of very few people in the world who can rally do that, with all the authenticity of the greats. Rick is a DEEP blues player and singer as well, but we also incorporate a lot more different stuff into our show. When I started playing with Rick, many people said “Wow, Kid Andersen really came out of his shell” because our show with Rick is very energetic, and entertaining, and there is a lot of crazy humor, showmanship and clowning, to go with the deep blues. But I was ALWAYS like that. But Charlie Musselwhite stands pretty still, and delivers his blues in a much more subdued manner. That’s his style and it works great for him. But I can’t be next to Musselwhite, playing with my teeth, doing magic tricks and flailing my limbs in the air next to him. I would look like a damn fool! But with The NIGHTCATS… thats already a part of their tradition, and Im adding to that, and it’s very natural for me. And now that we have D’mar on drums, it’s REALLY a lot of energy and fun and just crazy shit. That’s a big part of me, just like the serious side of blues is a big part of me, and I love playing with Rick because we do both, a LOT.


UM - What guitars and equipment do you usually use in concerts?


KA - O have many many guitars and amps at home in Greasleand, and I am pretty much OK with playing anything. But I like to use my Grez Mendocino guitar that was made for me. It always plays and sounds great, I can get a big variety of tones, and UNIQUE tones, and it is very light and most importantly, it’s very inspiring to play. For amps, since we go so many places, usually I have to play backline amps that they have where we go, and I prefer amps like a Fender Super Reverb, or a Bassman, or a Vibrolux, if it is a vintage one. Most amps I can deal with. The ones I like the LEAST, that I often get stuck with, are the reissue Twin Reverbs ( too clean, too harsh sounding and too LOUD!) and the Fender Hot Rod Deville and Deluxe amps. They sound good at “home volume” but sound like dogshit at concert volume. I always carry a boss 63 Fender Reverb pedal, and that makes the Hot Rod amps sound much better.


UM - You currently also produce Rick Estrin & The Nightcats albums. What is it like to produce your own band being led by a blues legend?


KA - Well, it feels very natural. We all contribute to those albums, we all share the same vision, and with each album we have gotten more and more confident about what OUR style is. It is a unique combination of influences, and I think it works really well together. I have fun working with Rick. He was an idol of mine when I was young. Well, he still is, but he’s also my best friend, we are like family. The whole band actually. So it’s easy, because everybody trusts me, and we can all be honest with each other when it comes to music. The hardest thing aways for me, is producing MYSELF playing the guitar. It is too easy to start doing solos over and over and over again, and get lost and not know when to stop. So I almost ALWAYS use the guitar tracks that I play when we all play the song together. When I was younger, I always felt like I had to PROVE something. Like “look, I can do THIS and I can do THAT” and just always trying to impress in some way. But now, I have done so many recordings, I don’t care anymore about thinking like that. Whatever I play, when we play TOGETHER, and the energy is good, THAT’S what is going on the record. If I fuck something up REALLY bad, I might fix it LOL But the main thing now is for me to just be comfortable with how I play, and just be OK with “That’s what I chose to play right then and there, when I DIN’T think about, so that’s how I play!” If it sounds like ME, and it fits the song, that’s the right take.


UM - Kid, really, I think you are the biggest blues producer today...


KA - In size, quite possibly ;)


UM - Every great record currently has your participation, either in production or in some instrument. I know three Brazilian musicians who have recorded with you: Rodrigo Mantovani (Nick Moss Band), Netto Rockfeller and John Harp. Everyone praised you too much...


KA - Well, those are all very fine people! You make some good folks down in Brazil. Some great musicians too!


UM - What are the biggest challenges when it comes to producing another musician?


KA - That is different almost every time. The technical aspect of recording is only a small part of it. Of course, you have to have those skills. You have to know how to work your equipment, and to know how to get the sound you want out of it. But having that skill alone will not make you a producer. You are also like a therapist, counselor and mediator. You have to be able to read people’s behavior, to make them feel comfortable and confident in what THEY are doing. And you have to understand band dynamics. Not just MUSICAL dynamics, but you have to keep an eye on personal dynamics. So that if there’s a situation that’s a problem, you will know how to best deal with it and stopping to from stopping productivity.

Problem solving, in all its forms, is an essential skill for being a producer. Figuring out how to get the best results out of less than ideal situations. And of course, KNOWING the music, knowing instinctually what a song should, or COULD sound like, and how to get there. Understanding your artists strong AND weak points. And knowing what to TELL them or make them do to emphasize the strong points and improve the weak points. ALL that stuff is much more important than “what kind of expensive microphone should I use”

I’m very “hands on” as a producer. If I want an artist to sing a line differently, I sing it to them. If I want a band member to play something differently, I will play it for them if I have to. If they don’t get it, I will grab their fingers and show them where I want them to put them. And if they don’t want to do it like that, or I realize they can’t, then we move on and do it some other way. And many times, the best thing I can do is nothing at all. Don’t take something that’s working and feeling good and start fucking with it. My job is to create the best possible representation of who the musician and artist is. I don’t want everybody to sound the same, I want everybody to sound like themselves, but the best possible version. If a guitarist is a rocker, I will not try to make him sound like a 1950s blues player. He must then Rock!


UM - For example, what to do when he wants something that you are sure will not work?


KA - Well, first of all, it is important to remember that if that happens, the artist is hearing SOMETHING in their head, and in their head, this idea sounds GOOD. And to remember that I can be wrong. If they want to try it, let’s try it, if there’s time. If we then listen back and they realize it’s not what they heard in their head, my job is to figure out… what DID they actually hear in their head, and how do we get it? Sometimes artists don’t know how to communicate what they are hearing in their head in a way where the band can understand it. They just know when it’s NOT right. That’s where I help, because I have a good fundamental understanding of how the different instruments and parts work. When I do my job right, I can pull that music that the artist’s mind, and translate and show it to the band. On a good day. To do this, it’s important to have many musical reference points, to know a LOT of music, and different kinds, inside and out. Listening is the most important thing we do as musicians. Not playing. I think you should be able to play good enough to where you don’t HAVE to use your whole brain to play your part. Use 40% of your brain for playing, use the other 560% for LISTENING to everything else in the song, then you can hear how you fit in.


UM - I know some great blues musicians who want to go to the USA. What advice would you give?


KA - Wait for the virus to go away! And Trump!!! No, I really don’t know. Everybody has to find their own way in life. But do a little research first, find out where you want to go, and contact some of the people in that scene. Some of them will make contact back for sure. But be smart about it. Writing a musician in the USA and saying “Hello, I’m so and so from Brazil. I want to come to America, please give me a gig” That’s just kind of annoying. Mostly, the musicians here aren’t looking for more musicians to get gigs. If you want to start to get to know a musician you really like, ask them to give you a lesson. Hire them for a gig in Brazil first, if you can, and build a network THAT way. T Then when you come to the US, they will already be in your corner. And go to jams, but don’t be a nuisance. Don’t expect ANYTHING from other musicians right away. If you go to a jam and they get you up with a shitty band, don’t complain. It takes a while for people to get to know you, and what you can do. Many musicians are nice and will help you out, but make yourself known as a cool guy who does not pester people for gigs and other things. Nobody likes a pushy newcomer who wants everything right away.

If you are good, people will find out eventually. If you are serious and you don’t give up, success can come your way.



  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

anuncie aqui

Destaques:
 procurar por TAGS: