Entrevista Gerry McAvoy


Gerry McAvoy é um baixista, cantor e compositor da Irlanda do Norte e tornou-se, praticamente, o fiel escudeiro de Rory Gallagher, com quem tocou por vinte anos. Também tocou com a banda britânica de blues e soul Nine Below Zero e atualmente lidera uma banda de tributo a Rory chamada Band Of Friends.

Sem se esquivar de perguntas ou com respostas curtas e secas, Gerry falou sobre suas influências no baixo, o início de carreira, a experiência de tocar com Rory, suas outras bandas e seu livro Riding Shotgun. "O livro era algo que eu tinha em mente há alguns anos. Foi só depois de me encontrar com Peter Chrisp, jornalista e fã de música, que as coisas começaram a tomar forma. Nós nos trancamos em um hotel no distrito de Lake, Cumbria, Reino Unido. Ele teve que desbloquear algumas memórias que eu tinha esquecido. Eu queria que o livro fosse minha história, obviamente vinte anos dessa história foram com Rory. Portanto, há uma grande parte do livro dedicada ao meu tempo com ele", explicou Gerry sobre a sua biografia.

Entretanto, a entrevista concentrou-se mais em sua carreira do que em seu ex-chefe, Rory Gallagher. O baixista, por exemplo, contou como, ao revisitar a coleção de vinis, teve a ideia de formar uma banda de tributo a Rory. "Eu tinha esquecido como as músicas eram boas e pensei que seria ótimo tocar essas músicas novamente, mas com os músicos certos. Eu coloquei tudo em espera por alguns anos até que tive uma chance de me encontrar com Ted McKenna (banda do Rory entre 1978-81)".

Este bate-papo é muito especial, obrigatório a todo fã de blues-rock, sobretudo aos fãs de Rory Gallagher. Aliás, nada mal estrear no Coluna Blues Rock com uma entrevista tão bacana!


Ellen Caroline - Oi, Gerry! É um grande prazer ter você no Coluna Blues Rock! Antes de fazer as perguntas, estava lendo sobre você e algo me chamou a atenção. Em uma entrevista que você deu em 1997 você contou que antes de ser baixista, você era guitarrista. Como foi essa transição de um instrumento para outro?


Gerry McAvoy - Sim, eu era guitarrista antes de me tornar baixista. Foi com minha primeira banda, Pride, isso foi por volta de 1968. Formamos uma banda de amigos de escola. Estávamos tocando o Top 40 do dia, junto com alguns clássicos do soul, Tamla-Motown. Nosso baixista na época também era estagiário em um açougue. Não se esqueça de que éramos todos adolescentes. Ele aparecia nos ensaios com cortes nas mãos, então estava ficando mais difícil para ele tocar, sem cobrir a guitarra com sangue. Então, eventualmente, ele deixou a banda. Tentamos contratar outro baixista, mas não adiantou. Na época eu estava tendo aulas de guitarra, então eu tinha um bom entendimento das progressões de acordes e também quais eram as partes do baixo. Então, assumi o cargo de baixista.


EC - Qual é a sua maior influência no baixo?


GMA - Originalmente, eu ouvia um cara chamado Jet Harris, ele era o baixista do The Shadows, um grupo instrumental muito popular do Reino Unido. Mais tarde, eu sentaria e tocaria junto com as linhas de baixo de Paul McCartney. Eu encontrei nele uma das linhas de baixo mais melódico de todos os tempos. Basta ouvir sua performance em Something dos Beatles. Quando eventualmente conheci o blues, graças ao John Mayall and The Bluesbreakers e ao Muddy Waters, eu passei a ouvir muito Willie Dixon. Depois de entrar no soul e na Tamla-Motown, ouvi James Jamerson, Bob Babbit e Donald Duck Dunn, que tive o prazer de conhecer quando toquei com Rory em Memphis, Tennessee, em 1973.


EC - No início dos anos 1970, Rory e você estavam em uma situação semelhante: ambas as bandas das quais vocês eram membros terminaram. O que o levou a aceitar o convite de Rory para tocar em sua banda?


GMA - No final dos anos 70, tanto minha banda, Deep joy, e a banda de Rory, Taste, se separaram. Minha banda fez alguns shows de apoio com o Taste, então eu tinha que dizer olá para Rory de vez em quando. Também no final de 1970, quando Deep Joy ainda tocava no circuito londrino, Rory e seu irmão apareceriam em alguns shows. Eu não sabia na época, mas acho que Rory estava conferindo outros baixistas e bateristas. Eventualmente, Deep joy se separou. Voltei para minha cidade natal, Belfast, na Irlanda. Por volta do final de janeiro, recebi um telefonema de Rory, perguntando se eu viria a Londres para fazer uma jam com ele e meu antigo baterista do Deep Joy, Wilgar Campbell. Voei para Londres e toquei várias músicas com Rory e Wilgar . Achei que foi fantástico. Nada foi dito e voltei para Belfast. Cerca de três semanas depois recebi outro telefonema de Rory, perguntando se eu gostaria de voltar a Londres para ensaiar algumas músicas novas que ele havia escrito, com possibilidade de gravar um álbum. Foi o que aconteceu, gravamos o primeiro álbum, Rory Gallagher. Depois disso, voltei para Belfast novamente. Mais uma chamada de Rory, gostaria que eu fosse ensaiar para alguns shows na França. Então, meu primeiro show foi em 30 de março de 1971 na Taverne de Olympia, Paris. Também foi transmitido para a TV francesa, o que era no mínimo enervante. Então eu fiquei com Rory por vinte anos depois disso, e nunca fui convidado para entrar na banda.


EC - Como foi a experiência de tocar com Rory Gallagher Band durante The Troubles [N.E: série de conflitos sociopolíticos ocorrido na Irlanda do Norte entre 1968-98]?


GMA - The Troubles estava em alta quando Rory e a banda decidiram fazer alguns shows na Irlanda. Esses shows incluíram tocar no Ulster Hall, em Belfast, onde eu tinha visto o Taste tocar alguns anos antes. Vindo de Belfast, eu provavelmente estava mais ciente dos perigos do que o resto dos caras. Mas Rory sentiu a necessidade de tocar no norte da Irlanda, ele morava lá há alguns anos e considerava como uma segunda casa. Os shows também conseguiram reunir os dois lados da comunidade, protestante e católico. Algo que muitos políticos de outros países não conseguiram administrar. Então, acabamos voltando para a Irlanda todo mês de dezembro devido aos problemas, algo que muitas bandas não fariam na época.


EC - Eu sei que, além do seu excelente trabalho com Rory, você tocou com Nine Below Zero. Como foi esse período da sua carreira?


GMA - Saí da banda de Rory em 30 de março de 1991. Exatamente vinte anos antes do dia em que fiz meu primeiro show com ele. Eu, então, me juntei ao Nine Below Zero, juntamente com Brendan O’Neill, que tocava com Rory desde 1981. Foi mais um período de vinte anos com a NBZ de 1991 a 2011. Gravamos onze álbuns e alguns DVDs juntos. Tivemos muitas mudanças de pessoal ao longo dos anos. Eventualmente, fizemos um álbum com Glenn Tilbrook (Squeeze). Isso foi por volta de 2009. Eu não estava feliz com a direção que a banda estava tomando, então decidi ir embora. O último show foi em 18 de dezembro de 2011.


EC - Depois de encerrar sua atividade com o Nine Below Zero, você fundou junto com os ex-membros da Rory Gallagher Band a Band Of Friends. Você poderia nos contar sobre a criação dessa banda em homenagem a Rory?


GMA - Por volta de 2007 me mudei para a França. Onde depois de descarregar meus móveis. Eu descobri meu velho toca-discos. Eu não ouvia vinil há alguns anos. Depois de configurar, tirei todos os meus discos antigos do armazenamento e comecei a ouvir. Entre esses discos, todos os álbuns de Rory que eu tinha tocado. Fiquei impressionado, primeiramente, com a qualidade do som do vinil, depois comecei a ouvir as músicas. Eu tinha esquecido como as músicas eram boas e pensei que seria ótimo tocar essas músicas novamente, mas com os músicos certos. Eu coloquei tudo em espera por alguns anos até que tive uma chance de me encontrar com Ted McKenna (banda do Rory entre 1978-81). Ted havia desistido da música ao vivo, exceto por alguns projetos que ele estava tentando lançar. Mencionei meu projeto para e ele ficou realmente entusiasmado com a ideia. Também por volta de 2007, um promotor holandês me perguntou se eu tocaria com um jovem guitarrista chamado Marcel Scherpenzeel. O show foi uma espécie de homenagem a Rory Gallagher nos arredores de Amsterdã, Holanda. Fiquei realmente impressionado com o toque e a dedicação de Marcel. Então, eu mencionei isso para Ted e esse foi o início de Band of Friends (uma celebração de Rory Gallagher).


EC - Eu ouvi o álbum Repeat After Me do Band Of Friends e gostei muito. Você pode falar sobre o processo de gravação?


GMA - Repeat After Me foi gravado nos estúdios The Edge, em Cheshire, nos arredores de Manchester. O estúdio foi usado principalmente por bandas jovens e emergentes. E eu queria trabalhar com algumas pessoas mais jovens neste álbum. Acabamos com um jovem engenheiro chamado Mark Winterburn. Suas ideias eram voltadas para o futuro, o que não estávamos acostumados. Mas a mistura de nossa experiência e sua abordagem mais jovem realmente ajudou. Escrevemos e ensaiamos as músicas ao mesmo tempo, o que resultou em alguns arranjos espontâneos. Eu realmente gostei desse processo.


EC - No dia 20 de novembro de 2018 você lançou sua biografia Riding Shotgun na qual fala um pouco da relação com Rory. Acho que seu relato é muito sincero. Um de seus objetivos era desmistificar a imagem sagrada que os fãs costumam atribuir ao Rory?


GMA - O livro era algo que eu tinha em mente há alguns anos. Foi só depois de me encontrar com Peter Chrisp, jornalista e fã de música, que as coisas começaram a tomar forma. Nós nos trancamos em um hotel no distrito de Lake, Cumbria, Reino Unido. Ele teve que desbloquear algumas memórias que eu tinha esquecido. Eu queria que o livro fosse minha história, obviamente vinte anos dessa história foram com Rory. Portanto, há uma grande parte do livro dedicada ao meu tempo com ele. Não era meu objetivo desmistificar a imagem de Rory, ou a imagem que os fãs têm dele. Mas Rory era um ser humano, com defeitos como todos nós.


EC - Infelizmente no ano passado perdemos o grande Ted McKenna. Como era seu relacionamento com ele?


GMA - Sim, infelizmente perdemos Ted McKenna em janeiro de 2019, depois que uma operação de hérnia de rotina que deu tragicamente errado. Meu relacionamento com Ted era muito forte. Voltando ao nosso tempo junto com Rory. Tenho boas lembranças de Ted, um grande músico e um grande amigo.


EC - Você já tem projetos futuros em mente? Você pode nos dizer algum?


GMA - Desde que perdemos o Ted, decidi mudar a formação do Band of Friends. Marcel formou sua própria banda. Agora temos Brendan O’Neill (banda do Rory entre 1981-1991) na bateria, Paul Rose na guitarra e Stephan Graf na guitarra. Estávamos gravando um novo álbum de Band Of Friends, até que tudo foi interrompido graças ao Covid-19. No momento em que falamos, todos os shows de 2020 estão sendo remarcados para 2021. Então, vamos esperar por um futuro melhor.


EC - Gerry, muito obrigada por aceitar nosso convite para fazer esta entrevista. Você é muito gentil. Se cuide, Gerry!



ENGLISH VERSION:


Ellen Caroline - Hi, Gerry! It's a big pleasure to have you at Coluna Blues Rock! Before to do the questions, I was reading about you and something caught my attention... In a interview that you've done in 1997 you told that before became a bass player, you were a guitarist. How was that transition from one instrument to another?


Gerry McAvoy - Yes I was a guitarist before becoming a bass player.It was with my first band “Pride”.This would have been around 1968. We formed a band from mostly school friends. We were playing the Top 40 of the day, along with some soul classics, Tamla Motown.Our bass player at the time was also a trainee butcher.Dont forget we were all teenagers.He would turn up at rehearsals with cuts all over his hands. So it was becoming more difficult for him to play,without having a blood covered guitar. So eventually he left the band. We tried to get another bass player but to no avail.At the time I was taking guitar lessons, so I had a fairly good understanding of chord progressions, also what the bass parts were. So I took over as bass player.


EC - What is your biggest influence on bass?


GMA - Originally I would listen to a guy called Jet Harris, he was the bass player with “The Shadows” a very popular UK instrumental group. Later I would sit and play along with Paul McCartney’s bass lines. I found him one of the most melodic bass players ever. Just listen to his playing on the Beatles “Something”. When I eventually got into the blues, thanks to John Mayall and The Bluesbreakers, and then Muddy Waters. I listened to Willie Dixon a lot. After getting into soul and Tamla Motown, I listened to James Jamerson, Bob Babbit,then Donald Duck Dunn, who I had the pleasure of meeting when I played with Rory in Memphis Tennessee in 1973.


EC - In the early 70’s, Rory and you were in a similar situation: Both bands of which you were a member ended. What led you to accept Rory's invitation to play in his band?


GMA - At the end of the seventies both my band “Deep joy” and Rory’s band “Taste” split up. My band had played some support shows with Taste, so I got to say hello to Rory every now and then. Also towards the end of 1970 when Deep joy were still playing the London circuit Rory and his brother would show up at a few gigs. I didn’t know at the time but I think Rory was checking out other Bass players and drummers. Eventually Deep joy split up. I moved back to my hometown Belfast, Ireland. Around the end of January I received a call from Rory, asking if I would come to London to have a jam with himself and my old drummer from Deep joy, Wilgar Campbell.I flew to London and played a bunch of songs with Rory and Wilgar. I thought it sounded fantastic. Nothing was said and I flew back to Belfast. About three weeks later I received another call from Rory, asking If I would like to come back to London to rehearse some new songs he had written, with the possibility of recording an album. This is what happened,we recorded the first Rory Gallagher album.Afterwhich I went back to Belfast again. Yet again another call from Rory, would I like to come over and rehearse for a few shows in France. So my first gig was on 30th March 1971 at the Taverne de Olympia, Paris. It was also televised for French TV, which was quite unnerving to say the least. So I stayed with Rory for 20 years after that, and I was never asked to join the band.


EC - How was the experience to play with Rory Gallagher Band during The Troubles?


GMA - The troubles were in full momentum when Rory and the band decided to play some shows in Ireland. These shows included playing the Ulster Hall, Belfast, where I had seen Taste play a few years previous. Coming from Belfast I was probably more aware of the dangers than the rest of the guys. But Rory felt the need to play in the North of Ireland, he had lived there for a few years and regarded it as a second home. The concerts also managed to bring both sides of the community together, Protestant and Catholic. Something a lot of the countries politicians could not manage.So we ended up going back to Ireland every December throughout the troubles, something a lot of bands would not do at the time.


EC - I know that besides your excellent work with Rory, you played with Nine Below Zero. How was that period of your career?


GMA - I left Rory March on 30th March 1991. Exactly 20 years to the day I played my first show with him. I then joined up with Nine Below Zero along with Brendan ONeill who had been playing with Rory since 1981. It was yet another 20 year time span with NBZ from 1991 to 2011. We recorded 11 albums and a few DVD,s together. We had a lot of personnel changes over the years. Eventually we made a record with Glenn Tilbrook (Squeeze). This would have been around 2009. I wasn’t happy with the direction the band were taking, so I decided to leave. The last show was 18th December 2011.


EC - After ended your activity with Nine Below Zero, you founded together with former Rory Gallagher Band members the Band Of Friends. Could you tell us about the creation of this tribute band to Rory?


GMA - Around 2007 I moved to France. Where after unloading my furniture. I discovered my old record player. I hadn’t listened to vinyl for quite a few years. After I set it up I got all my old records out of storage and started listening. Among these records where all the Rory albums I had played on,I was knocked out firstly by the sound quality on vinyl, then I started listening to the songs.I had forgotten how great the songs were, and I thought wouldn’t it be great to play these songs again, but with the right musicians. I put everything on hold for a few years until I had a chance meeting with Ted McKenna (Rory Gallagher 1978 – 1981). Ted had given up on live music except for a few projects he was trying to get off the ground. I mentioned my project to him and he was really enthused by the idea. Also around 2007 I was asked by a Dutch promoter if I would play with a young guitarist named Marcel Scherpenzeel. The show was a sort of Rory Gallagher tribute just outside Amsterdam, Netherlands, I was really impressed by Marcels playing and dedication. So I mentioned this to Ted and that was the start of Band of Friends ( A celebration of Rory Gallagher)


EC - I listened to the Band Of Friends’s album “Repeat After Me" and I like so much. Can you talk about the recording process?


GMA - Repeat after me was recorded at The Edge studios, in Cheshire, Just outside Manchester, UK. The studio was mostly used by young, up and coming bands. And I wanted to work with some younger people on this record. We ended up with a young engineer named Mark Winterburn. His ideas were quite forward looking, which we weren’t used to. But the mixture of our experience and his younger approach really helped. We wrote and rehearsed the songs at the same time, which made for some spontaneous arrangements. I really enjoyed this process.


EC - On 20th November 2018 you launched your biography “Riding Shotgun", that you talk a little about of your relationship with Rory. I think that your report is very sincere. Was one of your goals to demystify the holy image that fans often attribute to Rory?


GMA - The book was something I had in mind for quite a few years. It wasn’t until I met up with Peter Chrisp,a journalist and a music fan, that things started to take shape. We locked ourselves away in a hotel in the Lake district,Cumbria,UK. He had to unlock quite a few memories I had forgotten. I wanted the book to be my story, obviously 20 years of my story was with Rory. So there’s quite a chunk of the book dedicated to my time with him. It wasn’t my goal to demystify Rory’s image,or the image the fans hold of him. But Rory was a human being , with faults like the rest of us.


EC - Unfortunately in the last year we lost the great Ted McKenna. How was your relationship with him?


GMA - Yes sadly we lost Ted McKenna January 2019, after a routine hernia operation went tragically wrong. My relationship with Ted was very strong. Going back to our time together with Rory. I have very fond memories of Ted a great musician and a great friend.


EC - Do you already have future projects in mind? Can you tell us any?


GMA - Since we lost Ted I decided to change the lineup of Band of Friends. Marcel has formed his own band. We now have Brendan ONeill (Rory 1981-1991) on drums. Paul Rose on guitar Stephan Graf on guitar. We were in the process of recording a new Band of friends album, until everything ground to a halt thanks to Covid 19. As we speak all the shows from 2020 are being rescheduled to 2021.So let’s hope for a brighter future.


EC - Thank you so much for accepting our invitation to do this interview. You are very gentle. Take care, Gerry!


  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram

anuncie aqui

Destaques:
 procurar por TAGS: